Uma super aventura!viagem de moto por 22 países! Motorcycle big ride !

 Viagem de Alex Chacon levou um ano e meio! Pegou sua motocicleta e deixou sua casa no Texas-EUA e rumou para o sul da América até o sul da Argentina,retornando até o norte, no Alasca!(22 países no total).

Alex Chacon took a year and a half for a motorcycle ride. He left home in Texas, traveled to the southern tip of Argentina, and then back north to Alaska (22 countries)

Padre Valdo: ele morreu, mas ele viveu!



Meio que sem querer, navegando na internet acabei achando o blog
http://blogdodeijivan.blogspot.com/2010/04/sonhos-e-desejos.html

Neste blog consta postagem sobre o ex-padre Valdo cujo texto abaixo de forma reduzida
copiei:

Valdo subiu na bike e foi dar uma volta ao mundo”, escrito pelo jornalista Estevão Bertoni na seção “Mortes” da Folha de São Paulo.

Este artigo falava sobre a morte de João Valdecir Vieira (1944-2010), conhecido por Valdo, um ex-padre que resolveu largar a batina e realizar um antigo sonho: dar a volta ao mundo em uma bicicleta!
A ligação entre este pequeno artigo e o tema que trato aqui aconteceu justamente na noite deste domingo, quando resolvi organizar estes meus recortes de jornais e me deparei justamente com o artigo sobre o Valdo. De início passou de relance, mas logo me veio à cabeça os pensamentos sobre sonhos e desejos que me ocuparam a mente durante a tarde. Tive que parar com o trabalho de organização dos recortes e me dedicar imediatamente à leitura daquele artigo. Minutos depois eu já estava sentado enfrente ao micro escrevendo este texto. Não consegui terminá-lo no mesmo dia e retomei a empreitada na noite de segunda-feira, para então publicá-lo na madrugada desta terça-feira.
A história do ciclista e ex-padre Valdo é surpreendente. Graças a uma Poupança que fez ao longo da vida, conseguiu juntar quase 60 mil reais que foram destinados para financiar o seu sonho. Já sabia de antemão que seria muito difícil arranjar patrocínios que bancassem toda a viagem e, por isto, se precaveu guardando dinheiro. Obviamente que teve auxílio também de amigos e familiares, além de simpatizantes que encontrou pelo caminho. Segundo as informações disponíveis no site do Valdo,ele recebeu 374 dólares de doações feitas por pessoas que ele encontrou durante a viagem.

A odisséia de Valdo é impressionante. Ele percorreu milhares de quilômetros em sua “bike”, apelidada de Tanajura, saindo de Joinville, Santa Catarina, no dia 15 de março de 2009, as 6h30 da manhã. Ao longo do trajeto percorrido, ele teve que caminhar a pé empurrando sua bicicleta por 927 km, enfrentando diversas ladeiras entre montanhas e desfiladeiros. Pelas estradas ele encontrou 26 cicloturistas, categoria de ciclistas que se empenham em longas viagens, e pôde se vangloriar de ter levado apenas cinco tombos durante todo o percurso!
Para nosso deleite, Valdo registrou todas as suas aventuras em um
diário de bordo publicado em seu site, deixando muitas dicas sobre costumes locais, pontos de parada e alojamento e centenas de fotos e vídeos. Tudo foi muito bem catalogado, rendendo um material extremamente interessante.

O projeto todo da volta ao mundo em uma bicicleta deveria durar 1.460 dias, terminando em dezembro de 2012, podendo se estender até maio de 2013. Porém, infelizmente Valdo não conseguiu concluir o seu sonho. Ele conseguiu chegar até o México e se preparava para entrar nos EUA, quando publicou em seu site a ultima postagem em 22 de fevereiro deste ano. Dois dias depois, em 24 de fevereiro, o fabuloso ciclista Valdo, com 66 anos de idade, foi encontrado morto em sua barraca no acampamento do Restaurante Rancho Chapala, em Vila de Jesus Maria, na cidade de Baixa Califórnia, no México.
Valdo morreu dormindo, provavelmente devido a uma parada cardiorrespiratória. Mesmo não conseguindo realizar por inteiro o seu sonho, com certeza ele se foi satisfeito com a vida que teve. Foi um homem audacioso, que teve a coragem de deixar tudo para trás para poder se dedicar exclusivamente ao seu sonho. Abandonou os seus desejos e conquistas para seguir os caminhos que levavam ao prazer único da realização de um sonho!
Volto a perguntar: o que será que vale mais, sonhos ou desejos?

Para finalizar, deixo duas frases de autoria do grande Valdo:
“Tanta gente vive em circunstâncias infelizes e, contudo, não toma a iniciativa de mudar sua situação porque está condicionada a uma vida de segurança, conformismo e conservadorismo, tudo isso que parece dar paz de espírito, mas na realidade nada é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro.”

“As pessoas que raciocinam muito antes de dar um passo viverão suas vidas sobre uma perna só.”

"Mario Kart" brasileiro! 8o km/h na BR-101 / Crazy man rides in a wheel chair!

Total falta de responsabilidade – basta uma das pequenas rodas cair num
buraco e o seu corpo vai para o meio da rodovia…onde mais mortes
vão acontecer…

Aquarela -Nascer,viver-ir embora… Aquarela-Born,live and go away…

//www.youtube.com/get_player
Aquarela -ligue o som/turn on the sound…
(also in english – below)

Numa folha qualquer Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas É fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão
E me dou uma luva
E se faço chover
Com dois riscos tenho um guarda chuva
Se um pinguinho de tinta Cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino Uma linda gaivota a voar no céu
Vai voando, Contornando a imensa curva norte sul
Vou com ela viajando
Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela,Branco, navegando,É tanto céu e mar num beijo azul
Entre as nuvens vem surgindo Um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo
Com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo,Sereno, lindo,
E, se a gente quiser,
Ele vai pousar
Numa folha qualquer Eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos Bebendo de bem com a vida
De uma América a outra Consigo passar num segundo
Giro um simples compasso E num círculo eu faço o mundo
Um menino caminha E caminhando chega num muro
E ali logo em frente A esperar pela gente o futuro está
E o futuro é uma astronave Que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença Muda nossa vida E depois convida
A rir ou chorar
Nessa estrada não nos cabe Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela Que um dia enfim
Descolorirá
Numa folha qualquer Eu desenho um sol amarelo(que descolorirá)
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo(que descolorirá)
Giro um simples compasso
E num círculo eu faço o mundo(que descolorirá)
Corro o lápis em torno da mão
E me dou uma luva

In any leaf
I draw a yellow sun
And with five or six straight
It’s easy to make a castle
I run the pencil around the hand
And give me a glove
And if I make it rain
With two risks have an umbrella
If a drop of ink
Falls into a blue piece of paper
In a moment imagine
A beautiful seagull flying in the sky
Go flying
Skirting the vast north-south curve
I’m traveling with her Hawaii, Beijing and Istanbul
Paint a sailboat, White, sailing,
It is both sky and sea blue a kiss
The clouds are appearing
A beautiful pink and maroon plane
All around coloring
With its lights flashing
Just imagine and he is leaving, Serene, beautiful,
And if we want,
He will land In any leaf
I draw a ship departure
With some good friends Drinking well with life
From one American to another
I can pass a second
Turning a simple compass
And I do a round the world
A boy walks
And walking comes at a wall
And there right in front
The wait for us the future is
And the future is a spaceship
We try to fly
No time or mercy Nor has time to get
Without permission
Changes our life And then invites
A laugh or cry This road is not ours
To know or see what’s coming
The end of it nobody knows
Well for sure where it ends
Let us all in a beautiful walkway
A watercolor
That one day short
Discolor In any leaf
I draw a yellow sun (which discolor)
And with five or six straight
It’s easy to make a castle (which discolor)
Turning a simple compass
And I do a round the world (which discolor)
I run the pencil around the hand
And give me a glove (which discolor)

Gênero Animação
Diretor André Koogan Breitman, Andrés Lieban
Ano 2003
Duração 5 min
Cor Colorido
Bitola Vídeo
País: Brasil
Local de Produção: RJ
Com trilha homônima de Toquinho, Vinicius, Morra e Fabrizio,
o filme faz uma metáfora entre a vida, do nascimento à morte,
e uma pintura de aquarela que, com o tempo, descolore.

Ficha Técnica
Produção Tony Gil Fotografia Andrés Lieban Roteiro Marilia Pirillo, André Koogan Breitman Edição Andrés Lieban Direção de Arte Andrés Lieban Animação Andrés Lieban Som Toquinho Edição de som Alberto Ranellucci Produção Executiva André Koogan Breitman Música Sincronizada Vinicius de Moraes, Toquinho, M. Fabrizio, G. Morra

Prêmios
2º Lugar Júri Popular – Melhor Animação Infantil no Anima Mundi 2003
Liv Ullman Peace Prize no Chicago International Kids 2003

Festivais
Carrousel International du film de Rimouski 2004
Festival de Gramado 2003
Mostra Ano Brasil na França 2005
Cine PE 2003

Este e muitos outras curta metragens no site:
http://www.portacurtas.com.br