Jacarés podem ser a fonte de remédios para a AIDS


A última coisa que você quer fazer é expor uma ferida, até mesmo um arranhão da pele, a um ambiente cheio de micróbios. Então, considere que jacaré, que leva uma vida bastante violenta e vive em pântanos. Mas jacarés não são afetados por infecções da maneira você acha, eles têm uma imunidade natural em seu sangue.

Químicos em Louisiana- EUA descobriram que o sangue do jacaré americano com êxito pode destruir 23 estirpes de bactérias, incluindo as estirpes que se sabe serem resistentes aos antibióticos. Além disso, o sangue foi capaz de esgotar e destruir uma quantidade significativa de HIV, o vírus que causa a AIDS. O co-autor Lancia Darville da Louisiana State University em Baton Rouge acredita que peptídeos de fragmentos de proteínas dentro de sangue de crocodilo ajudam estes  animais a evitar infecções fatais. Tais peptídeos também são encontrados na pele de sapos e rãs, bem como em  dragões de komodo e crocodilos.Os cientistas imaginam que estes peptídeos podem um dia ser parte de medicamentos que forneceriam aos seres humanos a mesma proteção antibiótica.


Até agora, uma desvantagem tem sido identificada: os péptidos próprios são perigosas para os seres humanos em doses elevadas.

The last thing you want to do is expose a wound, even a small skin abrasion, to an environment crawling with microbes. Then consider the alligator, which leads a rather violent life and lives in swamps. But alligators don’t succumb to infection they way you’d think -they have a natural immunity in their blood.

Chemists in Louisiana found that blood from the American alligator can successfully destroy 23 strains of bacteria, including strains known to be resistant to antibiotics.

In addition, the blood was able to deplete and destroy a significant amount of HIV, the virus that causes AIDS.

Study co-author Lancia Darville at Louisiana State University in Baton Rouge believes that peptides—fragments of proteins—within alligator blood help the animals stave off fatal infections.

Such peptides are also found in the skin of frogs and toads, as well as in Komodo dragons and crocodiles. The scientists think that these peptides could one day lead to medicines that would provide humans with the same antibiotic protection.


So far, one drawback has been identified: the peptides themselves are dangerous to humans in high doses.

Anúncios