Método chinês – novas gerações – O que a China faz hoje!

Primeiro, a China decidiu tornar-se um gigante industrial, em seguida, uma superpotência econômica e militar.
Então, você não deve surpreender-se no próximo passo: melhorar ainda mais a evolução e a inteligência das novas gerações chinesas.
 Eles estão fazendo isso de duas maneiras: a primeira não é controversa.
A China está investindo maciçamente em educação.
 Keith Bradsher do The New York Times escreveu : A China está fazendo um investimento de 250 bilhões de dólares por ano em que os economistas chamam de capital humano. Assim como os Estados Unidos ajudaram a construir uma classe média de “colarinho branco” no final de 1940 e início dos anos 1950, usando o GI Bill para ajudar a educar milhões de veteranos da Segunda Guerra Mundial, o governo chinês está usando grandes subsídios para educar dezenas de milhões de jovens de acordo como eles se mudam de fazendas para as cidades.

 E isso parece estar funcionando (embora, como alguns apontam, a quantidade não é o mesmo que qualidade – e que, à semelhança dos Estados Unidos e Europa, a China já está enfrentando um excesso de licenciados que não conseguem encontrar emprego).
 Mais uma vez, a partir de artigo de Bradsher : Em números absolutos o impulso educacional da China, uma nação de mais de 1,3 bilhões de pessoas, é potencialmente de tirar o fôlego.
 Na última década, a China dobrou o número de faculdades e universidades, para 2409. Recentemente, em 1996, apenas um em cada seis chineses de 17 anos de idade se formou no colegial. Essa foi a mesma proporção nos Estados Unidos em 1919. Agora, três em cada cinco jovens chineses tem graduação no ensino médio, comparado aos Estados Unidos em meados dos anos 1950.
 A China está a caminho de alcançar dentro de sete anos os Estados Unidos na “taxa de conclusão do ensino médio atual de 18-anos de idade de 75 por cento – apesar de uma maior proporção de americanos do que chineses que depois voltam e terminam o ensino superior.
 Quadruplicando sua “produção de graduados universitários” na última década, a China já produz oito milhões de graduados por ano a partir de universidades e faculdades comunitárias. […] Até o final da década, a China espera ter cerca de 195 milhões de graduados em colégios da comunidade e com curso superior – em comparação com não mais do que 120 milhões nos Estados Unidos.

  O segundo método é mais controverso. De acordo com este artigo por Eror Aleks publicado em VICE, a China está trabalhando para tornar o seu povo mais inteligente por engenharia genética:

No BGI Shenzhen ( http://en.wikipedia.org/wiki/Beijing_Genomics_Institute ) , os cientistas coletaram amostras de DNA de 2.000 de pessoas mais inteligentes do mundo e estão fazendo o seqüenciamento seus genomas inteiros, na tentativa de identificar os alelos que determinam a inteligência humana. Aparentemente, eles não estão longe de encontrá-los, e quando conseguirem, a seleção de embriões permitirá aos pais escolher o seu mais brilhante zigoto e, potencialmente, ampliar a inteligência de cada geração de cinco a 15 pontos ( QI).

 Eror entrevistou o psicólogo evolucionista Geoffrey Miller que declarou que as pessoas inteligentes foram sendo recrutados, através de conferência científica e de boca em boca, para contribuir com seu material genético a ser seqüenciado de modo que os genes para a inteligência pudessem ser identificados ,( e mais tarde, usado para determinar o potencial de inteligência de embriões).

O que isso significa em linguagem humana?
 Qualquer casal pode potencialmente ter vários ovos fertilizados em laboratório com o esperma do pai e os ovos da mãe. Então você pode testar vários embriões e analisar qual vai ser o mais inteligente. Aquela criança que nascer desse casal como se a tivessem, naturalmente, seria a mais inteligente, se o casal fosse capaz de produzir 100 crianças. Não é a engenharia genética ou a adição de novos genes, são os genes que os casais já têm. 

 E ao longo de várias gerações isto é capaz de multiplicar exponencialmente a inteligência da população? Certo. Mesmo que isso só aumente a inteligência da criança numa média de cinco pontos de QI, a diferença é enorme em termos de produtividade econômica, competitividade do país, quantas conquistas alcançarão, como seus negócios serão executados e como inovadora a a economia será.

Nota:Com relação ao segundo método não concordo que isso seja “natural”. Acho que estão “mexendo” numa parte da natureza e criarão aquilo que Adolf Hitler tentou na Alemanha. O tempo vai dar as respostas, quando estes seres, inocentes enquanto crianças, porém adultos “superiores” exigirem o seu espaço na sociedade chinesa e depois no planeta…

 links: http://www.nytimes.com/interactive/2013/01/16/business/In-Education-China-Takes-the-Lead.html?ref=business&_r=0

Um parlamentar x 344 professores…

Recebido via e-mail do amigo Silvio L.

Relato de um professor do ensino médio:

TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES

Prezado amigo!
Sou professor de Física, de ensino médio de uma escola pública em uma cidade do interior da Bahia e gostaria de expor a você o meu salário bruto mensal: R$650,00 Eu fico com vergonha até de dizer, mas meu salário é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais que outros colegas de profissão que não possuem um curso superior como eu e recebem minguados R$440,00. Será que alguém acha que, com um salário assim, a rede de ensino poderá contar com professores competentes e dispostos a ensinar?
Não querendo generalizar, pois ainda existem bons professores lecionando, atualmente a regra é essa: O professor faz de conta que dá aula, o aluno faz de conta que aprende, o Governo faz de conta que paga e a escola aprova o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um idealista e atualmente vejo a profissão como um trabalho social. Mas nessa semana, o soco que tomei na boca do estomago do meu idealismo foi duro!
Descobri que um parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2 milhões por ano. São os parlamentares mais caros do mundo. O minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.

Na Itália, são gastos com parlamentares R$3,9 milhões, na França, pouco mais de R$2,8 milhões, na Espanha, cada parlamentar custa por ano R$850 mil e na vizinha, Argentina, R$1,3 milhões.
Trocando em miúdos, um parlamentar custa ao país, por baixo, 688 professores com curso superior !
Diante dos fatos, gostaria muito, amigo, que você divulgasse minha campanha, na qual o lema será:

TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES e contribua para um Brasil melhor!