A toxoplasmose dos gatos e a Copa do Mundo-3 em cada 2 brasileiros infectados? Parasites ruled the World Cup?

A pesquisa de Patrick House,em 01/07/2010:

E se eu lhe disser que na semana passada previ todos os oito vencedores da rodada da Copa do Mundo? E que em vez de rankings ou adivinhação tudo que fiz foi olhar para quantas pessoas em cada país da equipe da casa teve um parasita minúsculo escondido em suas amígdalas? Você acreditaria em mim?

Uma década atrás, Discover Magazine concluiu que os parasitas dominava o mundo, e agora eu vou tentar dizer-lhe que, pelo menos,até as oitavas-de-final os parasitas dominaram a Copa do Mundo.Primeiramente, um breve comentário sobre o organismo em questão, um parasita unicelular chamado Toxoplasma gondii.

A toxoplasmose é um dos parasitas mais bem sucedidos no mundo e é encontrada em quase todo tipo de mamífero. Cabras, vacas, porcos, ovelhas, seres humanos.

Mas ele gasta seu tempo tentando entrar no estômago de um gato, o único lugar onde ele pode reproduzir com sucesso.

Assim, o organismo evoluiu de um ciclo de vida incomum relacionadas com os cérebros de ratos e camundongos. Roedores ao ingerir pequenos pedaços de fezes de gato,fazem com que a Toxo vá direto para suas cabeças. Uma vez lá, ele embaralha os neurônios e inverte a aversão natural dos animais à urina de gato.

Logo depois, o gato caça o rato que já não teme a urina …do seu predador… Em outras palavras, o rato serve de táxi para o parasita, encontrando um novo felino(estômago) para completar o ciclo de vida Toxo.

Na pecuária a fabricação de adubo é feita a partir de, você adivinhou, pedaços de fezes de gato. Quando as vacas e cabras pastam, ingerem Toxo, e esgueira-se em seus cérebros. Comer um desses animais mal- cozidos e você terá Toxo em seu cérebro, também. Graças à urbanização de gatos (e suas fezes), quase um terço da população humana tem agora uma doença crônica, latente, e aparentemente inócuo infecção de toxo.

Esta é, naturalmente, uma média das taxas que variam bastante de um país para outro, de 6 por cento na Coreia do Sul e 92 por cento em Gana.

Um artigo recente da revista The Economist defende a idéia de que a infecção por toxoplasmose pode sutilmente influenciar o comportamento humano e, cultural, em todo o mundo.

Estudos apontam que as taxas de infecção nacionais se correlacionam com os traços de personalidade, como neuroticismo geral, talvez porque Toxo está tendo algum efeito sobre a forma como nosso cérebro funciona. (De acordo com uma teoria, o parasita pode alterar os níveis de dopamina, um neurotransmissor associado com a recompensa e motivação.)

Mas esta pesquisa não considera uma das medidas mais imperiosas de caráter nacional: vitórias da Copa do Mundo. Poderia taxas de infecção de toxo prever o sucesso do futebol?

Se não considerar pré-eliminatórias (na qual as equipes podem jogar para um empate) e se concentrar em jogos com um vencedor claro, os resultados são bastante convincentes. Na fase eliminatória do torneio deste ano, oito dos oito vencedores até agora foram as equipes cujos países tiveram maiores taxas de infecção por toxoplasmose. Se voltarmos para a Copa de 2006, sete dos oito vencedores do mata-mata, pode ser previsto por maiores taxas de toxoplasmose.

A única exceção à regra foi a derrota para o Brasil de Gana, uma partida entre duas nações que apresentam taxas muito elevadas. (Além de ter o maior vencedor da equipe em Copas do Mundo, o Brasil tem um pouco menos casos de toxoplasmose: Dois em cada três brasileiros estão infectados).

Ele fica melhor(a regra):

Ranking da FIFA top 25 dos países por taxa de Toxo/ equipe :

o Brasil (67 por cento), Argentina (52 por cento), França (45 por cento), Espanha (44 por cento) e Alemanha (43 por cento) .

Coletivamente, estas são as equipes responsáveis por oito dos 10 últimos vencedores da Copa do Mundo em geral. Espanha, o único do grupo a nunca ter ganho uma taça.

Bem: até as oitavas de final esta teoria funcionou…agora com Holanda,Alemanha,

Uruguai e Espanha…tudo mudou.

O que preocupa são as taxas elevadas de toxoplasmose reveladas pela pesquisa…

serão verdadeiras?

Fontes: abaixo.

by Patrick House:

What if I told you that last week I predicted all eight winners of a round of the World Cup? And that instead of rankings or divination all I did was look up how many people in each team’s home country had a tiny parasite lurking in their amygdalas? Would you believe me? A decade ago, Discover Magazine concluded that parasites ruled the world, and now I’m going to try to tell you that, at the very least, parasites rule the World Cup.
First, a quick primer on the organism in question, a single-celled parasite called Toxoplasma gondii.

Toxo is one of the most successful parasites in the world and is found in almost every type of mammal. Goats, cows, pigs, sheep, humans.

But it spends its time trying to get into the stomach of a cat, the only place where it can successfully reproduce. Thus the organism has evolved an unusual lifecycle relating to the brains of rats and mice. Rodents ingest little bits of Toxo from cat feces and Toxo goes straight to their heads. Once there, it scrambles the neurons around and reverses the animals’ natural aversion to cat urine. Soon after, a recently relieved cat returns to the scene and takes its supper. In other words, the rat plays taxi to the parasite, finding it a new feline host and completing the Toxo lifecycle.
Livestock fields are full of fertilizer made from, you guessed it, bits of cat feces. When the cows and goats graze, they ingest Toxo, and it sneaks its way into their brains. Eat one of these livestock uncooked and you’ll get Toxo in your brain, too. Thanks to the urbanization of cats (and their feces), almost a third of the human population now has a chronic, latent, and seemingly innocuous Toxo infection. This is, of course, an average: Rates vary a great deal from one country to another, from 6 percent in South Korea to 92 percent in Ghana

A recent article in The Economist pushed the idea that Toxo infection can subtly influence human behavior and, writ large, worldwide culture. Studies find that national infection rates correlate with overall personality traits like neuroticism, perhaps because Toxo is having some effect on how our brains function. (According to one theory, the parasite can alter levels of dopamine, a neurotransmitter associated with reward and motivation.) But this research fails to consider one of the most compelling measures of national character: World Cup victories. Could rates of Toxo infection predict soccer success?

If we set aside the qualifying rounds (in which teams can play to a draw) and focus on matches with a clear winner, the results are very compelling. In the knockout round of this year’s tournament, eight out of eight winners so far have been the teams whose countries had higher rates of Toxo infection. If we go back to the 2006 World Cup, seven out of eight knockout-round winners could be predicted by higher Toxo rates. The one exception to the rule was Brazil’s defeat of Ghana, a match between two nations that each have very high rates. (Aside from having the winningest team in World Cup history, Brazil has quite a few cases of Toxo: Two out of three Brazilians are infected.)

It gets better. Rank the top 25 FIFA team countries by Toxo rate and you get, in order from the top: Brazil (67 percent), Argentina (52 percent), France (45 percent), Spain (44 percent), and Germany (43 percent). Collectively, these are the teams responsible for eight of the last 10 World Cup overall winners. Spain, the only one of the group never to have won a cup, is no subpar outlier—the Spaniards have the most World Cup victories of any perpetual runner-up.

Want to know more?

Anúncios