Porta ideal para hospitais,refeitórios e outros locais. PullClean -Clever door pull.

As infecções podem se espalhar facilmente através de hospitais e postos de saúde, quando os trabalhadores, pacientes e outros compartilham a mesma maçaneta ou utensílio para acessar os locais de atendimento. 
Hospitais não medem esforços para encorajar os funcionários a manter as mãos limpas, muitas vezes instalam desinfetantes de mão ( dispensadores ) ao lado de portas.
O PullClean vai um passo além. Esta invenção de  Altitude Medical consiste de um dispensador -desinfetante embutido no puxador da porta. Além do produto há um componente  eletrônico embutido que vai informar o administrador  hospitalar   através de um  software de quantas pessoas estão usando-o quando abrem a porta.




Sempre acerta…duvida? / Always right…don´t believe it?

PENSE NUMA PESSOA FAMOSA (Mas guarde segredo)… AGORA CLIQUE
NO LINK ABAIXO E RESPONDA AS PERGUNTAS… O SITE MOSTRA
A IMAGEM DE QUEM VOCÊ PENSOU!!!
Link:
http://pt.akinator.com/

Think in one famous person(don´t tell anyone)…now click in the
link above and answer to the questions…the site shows the
name of the person …(click also in the flag of your language)

A bomba pública de abastecimento solar:Veja!

A bomba de abastecimento solar combina o design de um antigo posto de gasolina com a moderna tecnologia da energia solar.Serve para carregar mais de 4 “bicicletas elétricas e inúmeros laptops e telefones celulares,além de iluminar com luz de LEDS o entorno do local e cadeiras (recicladas de antigos sinais de trânsito) daqueles que aguardam no local até o final do carregamento.Tudo gratuito e limpo.

The SolarPump combines the adaptive reuse of an American car culture symbol (a 1950’s Citgo gas pump), with an interactive system harnessing solar energy to charge up to four electric bicycles and nearly unlimited laptops and cell phones, while LED lighting illuminates public seating crafted from recycled street signs.

Web site: soldesignlab.com
They are the genius behind this invent.

Rios e barcos para economizar no transporte de cargas…

Enviado via e-mail pelo amigo Marcelo A. M.



Pois isto existe, em Magdeburg, Alemanha..
O Wasserstrassenkreuz (cruzamento de hidrovias) é um canal-ponte sobre o Rio Elba, que liga as redes de vias navegáveis das antigas Alemanhas Ocidental e Oriental.
A iniciativa fez parte do projeto de reunificaçãoNacional, implementado após a queda do Muro de Berlin. Sua principal função é facilitar o comércio entre as duas ex-nações.
O Wasserstrassenkreuz é o Mais longo ‘viaduto’ da Europa, com 918 m de extensão. Liga a porção Leste do Mittellandkanal, com o trecho oeste do Elba-Havel-Kanal. A obra, aberta ao tráfego de mercadorias durante todo o ano, consiste numa ponte principal, com 228 m de extensão, subdividida em 3 trechos e um canal Com 690 m.
A construção demorou 5 anos.

Lâmpadas e a inteligência (leia isto…vale a pena).

Enviado por e-mail pelo amigo Silvio L.

Lâmpadas e inteligências

As lâmpadas servem para iluminar. Para isso, são dotadas de potências de iluminação diferentes.
Há lâmpadas de 60 watts, de 100 watts, de 150 watts… Esse número em watts diz o poder de iluminação da lâmpada.

Também as inteligências servem para iluminar.

Nos gibis, o desenhista, para dizer que um personagem teve uma boa ideia, desenha uma lâmpada acesa sobre a sua cabeça.
As inteligências, à semelhança das lâmpadas, também têm potências de iluminação diferentes.

Os homens inventaram testes para medir a “wattagem” das inteligências.

Ao poder de iluminação das inteligências deram o nome de “QI”, coeficiente de inteligência.
As inteligências não são iguais. Pessoas a quem os testes inventados pelos homens atribuíram um QI 200, têm um poder muito grande para iluminar.
Alguns, para se gabar, chegam a mostrar sua carteirinha, dizendo que sua inteligência tem uma “wattagem” alta.
Mas, nós não olhamos para as lâmpadas. As lâmpadas não são para serem vistas. As lâmpadas valem pelas cenas que iluminam e não pelo brilho.
Olhar diretamente para a lâmpada ofusca a visão.
Há inteligências de “wattagem” 200 que só iluminam esgotos e cemitérios. E há inteligências modestas, como se fossem nada mais do que a chama de uma vela, que iluminam sorrisos.

Uma lâmpada não tem vontade própria. Ela ilumina o objeto que o seu dono escolhe para ser iluminado.
A inteligência, como as lâmpadas, não tem vontade própria. Ela ilumina os objetos que o coração do seu dono determina que sejam iluminados.

A inteligência de quem ama dinheiro ilumina dinheiro, a inteligência dos criminosos ilumina o crime, a inteligência dos artistas ilumina a beleza.
A inteligência é mandada. Só lhe compete obedecer.
* * *
As considerações luminosas de Rubem Alves nos fazem pensar um pouco a respeito de como estamos utilizando este grande instrumento que temos – a inteligência.
O que temos iluminado com ela? O que temos feito desta grande habilidade da qual dispomos?
Allan Kardec deixa claro que a inteligência nem sempre é penhor de moralidade, e o homem mais inteligente pode fazer um uso pernicioso das suas faculdades.
Assim, ter uma inteligência avantajada não significa ser um homem de bem, não significa ser uma alma evoluída.
É necessário que essa inteligência esteja sendo canalizada para o bem, para a civilização e aperfeiçoamento da Humanidade.
A mesma inteligência que desenvolve uma arma química pode desenvolver vacinas e remédios.
A mesma inteligência que manipula as leis e as pessoas em benefício próprio, pode ser a inteligência que auxilia, que defende os fracos e oprimidos.
A mesma inteligência das estratégias criminosas de usurpação do dinheiro público pode ser utilizada na reconstrução de cidades, na restituição da dignidade de povos abandonados por interesses materialistas.
Basta que a lâmpada ilumine o que deve iluminar, basta que façamos escolhas acertadas e demos ordens corretas à nossa inteligência.
A inteligência, como as lâmpadas, não tem vontade própria. Ela ilumina os objetos que o coração do seu dono determina que sejam iluminados.

Redação do Momento Espírita com base no texto Variações
sobre a inteligência, do livro “O sapo que queria ser
príncipe”, de Rubem Alves, ed. Planeta.
Em 28.08.2009.

Arte com pedras (stone art )

Someone gathers stones, someone throws about them. But Bill Dan from San Francisco forces them to dance. Since 1994, without the aid of glue, and any other means of installation. Indeed each stone can firmly be bound with another stone due to the coinciding small cracks and [vpadinok].

Alguns apanham pedras,alguns atiram elas.Mas Bill Dan de São Francisco força elas a dançar.Desde 1994, sem ajuda de cola ou outro meio de instalação.As pedras são firmemente
apoiadas com outra pedra utilizando as coincidentes e pequenas partes planas.

You will place the largest stone into the base. When you place the following stone on top – try to do so that the surfaces at the points of contact would coincide – hundreds of such points are located on the lower stone-.
Se você fizer coloque a maior pedra na base.Quando acomodar a próxima pedra no topo-tente
faze-lo de maneira que as superfícies dos pontos de contato coincidam – centenas destes pontos são encontradas na menor pedra mais baixa.