Pela Lei Internacional a Lua é do Chile !! The moon is Chilean

A Lua, que contemplamos, satélite da Terra, é propriedade do advogado, escritor, violinista e poeta chileno Jenaro Gajardo Vera. Está transcrito no Registro de Imóveis de Talca, no Chile. 

Para ser aceito em um clube exclusivo, Gajardo deveria apresentar um imóvel de sua propriedade.  “Quando eu saí da reunião – Gajardo lembrou depois – Eu fui caminhar até a Plaza. A lua cheia brilhava no céu. Ele rapidamente elaborou  a sua iniciativa: inscrever o satélite natural da Terra como sua propriedade. Dia seguinte, 25 de setembro de 1954, sem hesitação, compareceu perante o Cartório de Talca, Cesar Jimenez Fuenzalida e pediu para ser declarado proprietário da lua, que lhe foi creditado desde antes de 1857 (fórmula usada no momento para limpar a terra sem título de propriedade) do satélite natural da Terra
O tabelião, diante do inusitado pedido de registro se rendeu às evidências e concluiu : “Mas o senhor está certo, a Lua tem fronteiras e dimensões, pertence à Terra e ainda não foi registrada. O senhor deve publicar três comunicados no Diário Oficial e se não houver objeção alguma até o terceiro dia, a Lua é sua.” Assim foi feito. E o doutor Jenaro Gajardo Vera tornou-se dono da Lua, mediante registro imobiliário com efeito erga omnes. “Efeito erga omnes”,  que  quer dizer “efeito oponível contra todos”.
Com o título nas mãos, voltou ao clube de Talca. Havia sorrisos, rostos surpresas e admiração. Mas foi aceito como membro. Um membro disse Gajardo: “Na verdade, você nos deu uma lição.”  O fato, é claro, não passou despercebido. 

Jornais da América e da Europa deram importância  ao incidente curioso. Alguns anos mais tarde, um tablóide EUA publicou uma reportagem e a notícia novamente se espalhou. 
A situação de disputa legal internacional surgiu quando os Estados Unidos estavam a preparar sua viagem à lua, em 1969, com três astronautas bordo. 

Gajardo, de acordo com as leis internacionais, conseguiu, por meio de advogado Henry Monti Forno, revalidação de seu domínio em Washington. Tudo isso, porque as normas universais da ONU só reconhecem a propriedade privada numa altura de 80 quilômetros, mas como tal regulamentação foi em 1967 – e a escritura de Gajardo foi escrita em 1954, ela  prevaleceu ,tanto que em seguida,  o presidente Nixon, em 1969 ,por meio da Embaixada Americana e o Ministério das Relações Exteriores enviou um telegrama para Gajardo, pedindo-lhe autorização para descer no satélite. Esta foi concedida pelo proprietário no Chile.

Jenaro com o pedido de autorização enviado por Nixon.






















Registro com efeito erga omnes. Tão correto juridicamente  que o presidente norte-americano  em 1969, enviou a Jenaro o seguinte telegrama: “Em nome do povo dos Estados Unidos, lhe peço permissão para os astronautas Aldrin, Collins e Armstrong pousarem no satélite que lhe pertence.” 

Também a Receita Federal do Chile enviou dois inspetores para cobrar os impostos federais e o esperto poeta,conhecendo as leis do País, respondeu que colocaria tudo em dia após a visita dos fiscais ao imóvel como
manda a lei.
O documento feito no Registro Imobiliário de Talca diz:   “Januário Gajardo Vera, advogado, possui, desde antes de 1857, juntando-se a sua posse a dos seus antecessores, astro, o único satélite da Terra, com um diâmetro de 3.475.00 km, chamado LUNA, e cujos limites estão sendo esferoidal Norte, Sul, Leste e Oeste, o espaço sideral. Casa fixa em 1270 East 1st Street e seu estado é solteiro. Januário Gajardo Vera Carné 1.487.45-K Providencia Talca, 25 de setembro de 1954.”
Jenaro faleceu em 1998 e, no seu testamento, consta. ‘Dejó a mi pueblo la Luna, llena de amor por sus penas’. 

In September 25, 1954, before the notary of Talca César Jiménez Fuenzalida, Gajardo requested to leave record of his statement as owner of the Moon “since before of 1857” —legal formula used back then to get ownership of lands without existing title deeds—,[2] by registering a deed:
JENARO GAJARDO VERA, lawyer, poet, is the owner since before year 1857, joining to his possessions the one of his ancestors the celestial body, only satellite of the Earth, with a diameter of 3,475.99 kilometers, under the name of Moon, whose boundaries are, due to being an spheroidal body: North, South, East and West: outer space. He lives in Calle 1 Oriente 1270 and his filing status is married. Talca.
—(Signature)
Jenaro Gajardo Vera
RUN 1.487.45-K Ñuñoa
Talca, September 25, 1954.
Following Chilean laws, he published three announcements on the Official Diary of Chile —requirement adopted in Chile to let anyone possessing any right on the grounds to have the opportunity to appeal—[1] paying CL$42,000 of the time. Since the request was endorsed, he proceeded to inscribe the property in the Real Estate of Talca.[4]

Over time, the news became known internationally, won great renown. But the most striking aspect of the story is that before the Apollo 11 lunar mission, Jenaro Gajardo, in accordance with international laws, managed the renewal of its dominance in Washington.

In 1969, prior to landing, U.S. President Richard Nixon, in a very striking formal ceremony, sent a message to Don Gennaro by the U.S. Embassy in Santiago, Chile.


The statement in question stated: “I request on behalf of the people of the United States permission to the decrease of astronauts Aldrin, Collins and Armstrong on the lunar satellite that belongs to you” in response, Mr. Gennaro said: “On behalf of Jefferson, Washington and the great poet Walt Whitman, I authorize the descent of Aldrin, Collins and Armstrong on the lunar satellite that belongs to me, and what interests me most happy is not only a safe landing of the astronauts, but also a happy return to their homeland. Thank you, Mr. President. “

Will

If profit or never receive any money for his alleged possession, after the death in 1998, Jenaro Gajardo Vera Luna left his testament to the people of Chile, speaking as follows: “I leave my people the moon, full of love for his pains” .
Anúncios

Isolados e engolidos pelos monstros de concreto…stubborn "nail" houses

Teimosia,birra ou amor do tipo “lar doce lar”?Aqui exemplos de pessoas que não vendem de jeito nenhum suas casas e acabam sendo engolidas pelos monstros de concreto:

Em Seattle, USA:

A casa de Edith Macefield, que foi morar no local em 1966 antes da área se tornar a mais importante no ramo das construções da cidade.Desde então ela se negou a aceitar inúmeras ofertas, sendo que a maior delas seria de 1 milhão de dólares. Os empreendedores tocaram
suas obras mesmo assim e a casa ficou cercada conforme se vê nas fotos :

Edith Macefield’s little home example of a nail house. Edith, who passed away last year, moved into this house in 1966 – long before the area’s construction boom – and since then had turned down numerous offers from developers wishing to build a complex on her land, the highest of which is rumoured to be $1m. The developers decided to build the complex anyway and surround the house with sharp, sleek, characterless surfaces.

Em Changsha, China

Esta casa/loja totalmente desfigurada e com péssima aparência fica em frente e na calçada de modernas construções de um shopping center no centro de Changsha City.O contraste é absurdo…
this dilapidated shop/home sits continues to do business outside a sparkling, relatively modern-looking shopping centre in changsha city and the contrast between the two buildings is shocking

Na cidade de washington dc, u.s.a.

No início da obra… durante…


e no final….

A casa do Sr. Spriggs, que não vendeu, mesmo com uma oferta de 3 milhões de dólares…

In 2006, Austin Spriggs was happily living in a house that would soon become a thorn in the side of local developers. Such a thorn in fact that mr. Spriggs was offered more than $3m for the property in 2008 even though the property was previously only worth an estimated $200k. needless to say, he turned the offer down and then proceeded to take out a loan to convert the building into a pizza joint. As you can see, the building is absolutely dwarfed by the surrounding developments.
Se fosse no meu país…será que haveria respeito à Constituição (propriedade) como
mostram as fotos acima?Duvido!…