Bactérias na sua escova ! What’s in your toothbrush?

Cerdas de sua escova de dentes…você deve mantê-la fora do WC (banheiro) e sempre fazer a higiene antes de utilizá-la. Na foto uma cerda ampliada no telescópio eletrônico,foto de Steve Gschmeissner.Eu particularmente utilizo água oxigenada para matar estas bactérias.
The bristles of your toothbrush as you’ve never seen. The electron microscope is needed to show foreign bacteria that settle along the hours.Picture of Steve Gschmeissner.

O que os pilotos sabem…aviões

29. “Eu posso estar uniformizado mas isto não significa que eu sou a melhor pessoa para dar informações em um aeroporto. Nós passamos por tantos aeroportos que normalmente não fazemos a menor idéia.” Afirmou um piloto.
 28. Na maioria das vezes a qualidade da aterrissagem é um indicador da habilidade do piloto. Portanto se quiser dizer algo agradável para ele, ao sair da aeronave fale “Excelente aterrissagem”.
27. As companhias aéreas ajustaram o horário das suas aterrissagens para terem um histórico melhor de pontualidade. Portanto quando você pega um voo que pensa que durará 2 horas de acordo com o bilhete ele possívelmente levará 1h45min.
26. Um advogado de uma linha aérea e piloto aposentado afirmou que é comum o piloto ligar a luz alertando aos passageiros para afivelarem os cintos. Mas se ele mandar os comissários se sentarem fique atento. Isto significa que vem turbulência pesada pela frente.
25. Segundo um piloto este negócio de aterrissagem na água não existe. Chama-se colidir no mar.
24. Quando um avião voa e atinge uma grande corrente ascendente, invisível ao radar durante a noite, é como atingir uma lombada em alta velocidade: joga tudo para o ar e depois ao chão com violência. Isto não é o mesmo que turbulência, segundo o analista de segurança aérea e capitão aposentado John Nance.
23. Viajar com o bebê no colo é extremamente perigoso. Qualquer impacto ou desaceleração possivelmente fará com que você perca a criança das mãos e ela se torna um projétil. Mas se você é obrigado a comprar um assento caro para seu filho é porque dirige um carro, já que a chance de acidente é maior dirigindo que que voando.
22. É absurdo tanta gente ter medo de turbulência. Os pilotos a evitam não por medo da asa cair, mas porque ela é irritante. É impossível turbulência causar uma queda.
21. Um piloto de uma companhia regional disse que as aeronaves que pilotava foram atingidas duas vezes por relâmpagos e afirma que a maioria dos pilotos já passaram por isso. Mas os aviões são construídos para aguentarem. “Você ouve um grande bum e vê um grande flash e acabou. Você não vai cair do céu.
20. Segundo um capitão de uma grande companhia ninguém sequer considera andar de carro a 100 km/h sem o cinto afivelado. Mas quando o avião corta o ar a 800 km/h ele apaga a luz de afivelamento do cinto e você o retira. Se o avião atinge um pequeno bolsão de ar a sua cabeça bate no teto.
19. Quando for reclinar seu assento “pelo amor de Deus” verifique atrás de você primeiro. Muitos notebooks quebram todo ano por que um passageiro decidiu tirar uma soneca e desce o encosto com força total sem preocupação com o que há por detrás de si.
18. Não existe assento mais seguro para escolher dentro de uma aeronave. Mas a área mais suave durante o voo é comumente a asa ou próximo dela. A área mais instável é a traseira, pois o avião é como uma gangorra. Se você estiver no meio não se move tanto.
17. Um dos pilotos aconselha que, caso não goste muito de voar, compre uma passagem aérea para os voos matinais. Segundo ele o aquecimento da superfície durante o dia torna o ar mais agitado e é muito mais provável pegar uma tempestade durante a tarde.
16. “Não fazemos você guardar seu laptop por estarmos preocupados com interferência eletrônica. É para evitar você ter um projétil no seu colo.” Ninguém quer ser acertado por um MacBook zunindo a 300 km/h. 15. “As pessoas não entendem porque não podem usar seus celulares. Bem, o que acontece é que 12 pessoas decidem ligar para alguém logo antes da aterrissagem e eu posso ter uma leitura falsa nos meus instrumentos que dizem que estamos mais altos do que realmente estamos.”
14. “Não queremos acabar com a sua diversão fazendo você tirar os fones de ouvido. Apenas queremos que você possa nos ouvir em caso de emergência.”
13. “Nós pedimos para você abrir a janela para que os comissários possam ver lá fora em caso de emergência e escolher qual é o melhor lado para uma evacuação. Também permite que a luz entre na cabine caso fiquemos no escuro, ajudando os passageiros a se orientarem caso o avião role ou gire.”
12. “Está com frio no avião? Avise o comissário de bordo. Estamos em uma batalha constante com eles com a temperatura. Eles se mexem o tempo todo pelos corredores, portanto sempre estão ligando dizendo ‘aumente o ar’. Mas a maioria dos passageiros que conheço está congelando.” Afirmou um capitão.
11. “Sempre falo para os meus filhos voarem com calçados resistentes. Se você tem que evacuar a aeronave e seus chinelos caem você ficará descanço no asfalto quente ou no mato.”
10. “A maioria das pessoas que adoece logo após voar geralmente não fica assim por causa do ar que respira, mas por causa do que tocam. Sempre assuma que o botão para reclinar o banco ou a bandeja não foram limpas.”
9. Um piloto afirmou que caso você se preocupe em respirar o ar mais fresco, sente-se na frente, já que o fluxo de ar nas aeronaves é da frente para o fundo. No fundo geralmente é mais quente também, segundo ele.
8. “Se os pilotos dormem lá [no cockpit]? Certamente. Algumas vezes é só um cochilo de dez minutos, mas acontece.”
7. “Há pessoas que tendem a pensar que o avião voa sozinho. Confie em mim, não é verdade. Ele pode voar sozinho em alguns momentos. Mas você está sempre com as mãos no controle esperando para ele estragar tudo. E ele estraga.”
6. “Uma vez eu voei no assento sobressalente de um cargueiro 747, que não leva passageiros. Assim que as portas fecharam o co-piloto foi para os fundos e colocou um roupão e chinelos. Sem brincadeira. Ele disse ‘Eu não vou usar uma gravata para um monte de caixas’”.
5. “Aliás, não usamos nossos chapéus no cockpit. Na TV você sempre vê estes pilotos com seus caps na cabeça e eles usam os headsets sobre o chapéu e isso sempre nos faz rir.”
4. “Aqui vai a verdade sobre os empregos em companhias aéreas: Você não ganha tanta folga quanto seus vizinhos pensam, você não ganha tanto dinheiro quanto seus parentes pensam e você não tem tantas namoradas quanto sua esposa pensa. Mas eu ainda não acredito que eles me pagam para fazer isso.” Disse um piloto comercial.
3. “Estamos indo em direção a uma tempestade com relâmpagos.” O que eles dirão em vez disso: “Parece que teremos um tempo revolto [ou ‘chuva’] a frente.”
2. “Um de nossos motores falhou”. O que eles falam ao invés disso: “Um de nossos motores está indicando estar inadequado”. É mais provável que não digam nada e você nunca saberá. A maioria dos aviões vai bem com uma turbina parada.
1. “Pessoal, a visibilidade é zero”. O que eles falam ao invés disso: “Parece que há alguma neblina no aeroporto de Brasília”.
Fonte: Reader´s Digest – Revista Seleções

O verdadeiro inventor do Fusca -fotos e história

O escritor Paul Schilperoord,lançou seu livro “A Vida Extraordinária de Josef Ganz – O Engenheiro judeu por trás da Volkswagen de Hitler.”



Prospecto de 1923- do pequeno carro de Ganz

 “A extraordinária vida de Josef Ganz”, conta a surpreendente história de Josef Ganz, um engenheiro judeu de Frankfurt, que maio 1931 criou um carro revolucionário de pequeno porte: o Maikäfer (alemão para Bug de maio). Sete anos depois, Hitler introduziu a Volkswagen. Os nazistas não apenas roubaram o seu conceito mas também o nome do carro Nesta biografia,Schilperoord conta como Ganz foi preso pela Gestapo, em seguida, fugiu da Alemanha, e foi caçado pelos nazistas para além das fronteiras da Alemanha, escapando por pouco de assassinato. Vamos destacar alguns exemplos do livro.



Capa e contra-capa do livro lançado nos EUA e Canadá

 A maioria das centenas de fotos impressionantes do livro nunca foram publicadas antes e vêm de arquivo de fotos originais de Ganz, que Schilperoord descobriu a partir de fontes no Canadá e na Austrália. Josef Ganz nasceu em Budapeste, no verão de 1898 e cresceu em Viena . Criança ainda Josef Ganz já exibia suas habilidades de engenharia. Com a idade de 12 anos, ele recebeu sua primeira patente para um dispositivo de segurança para bondes elétricos. Depois de servir na Primeira Guerra Mundial Ganz mudou para a Alemanha, onde estudou Engenharia Mecânica. Em 1923, como estudante, Ganz iniciou o desenvolvimento de um carro inovador com um motor central, roda e suspensão independente, e um corpo aerodinâmico. Depois de um terrível acidente de moto, na qual Ganz quase perdeu sua perna direita, a evolução desse Ganz-Klein-Wagen chegou a sofrer uma suspensão temporária. Josef Ganz foi um crítico pesado dos carros antigos produzidos nos anos de 1920, que ele considerava serem horríveis com seus eixos sólidos, centros de gravidade altos, e outros itens ineficientes. Como jornalista freelancer, começou a contribuir com artigos para revistas de automobilismo em que incitou a indústria automotiva a empregar mais tecnologia e design. Isso resultou na nomeação de Ganz como editor-chefe da revista de automobilismo Klein-Motor- Desporto . Ganz usava esta publicação como uma plataforma para promover o design inovador do carro e a Volkswagen, em particular. Por causa de sua escrita crítica Ganz não tinha a simpatia dos construtores de carros conservadores, mas a revista se tornou altamente influente. Em 1929, Ganz mudou o nome para o mais apropriado Motor-Kritik . Em 1930, a empresa de motocicletas Ardie de Nuremberg deu o Ganz oportunidade de construir um primeiro protótipo do seu Volkswagen. O protótipo apresentado um chassi backbone central com suspensão do motor,com eixos oscilantes,e carroçaria em forma de besouro.



capa de revista de 1928



Josef Ganz testando um protótipo de 1930 -o
Ardie Ganz Volkswagen





O Bug de Maio ou May-Bug de 1931



O Beetle da Mercedes Benz -protótipo de 1931
com motor traseiro.



Josef Ganz em um dos protótiposVolkswagen Suíços
em 1937




Modelo apresentado em 1933 na
Berlim Motor Show

  Os planos de produção, no entanto, foram interrompidas quando um consórcio de grandes fabricantes de automóveis alemães bloquearam uma proposta de lei referente a condução de um carro tão pequeno. A construção notável atraiu a atenção de Adler fabricante de automóveis de Frankfurt, que empregava Ganz como engenheiro consultor e lhe ofereceu suas instalações para a construção de um protótipo novo e melhorado. Ganz concluiu este carro em maio 1931 e apelidou sua criação de “o novo Maikäfer” (Bug de Maio). Para satisfazer o público , Ganz deu ao carro um olhar mais convencional, o corpo rebaixado com um radiador falso na frente. Novamente forças industriais bloquearam o desenvolvimento do “Bug de maio” em Adler, mas foi permitido a Ganz manter o protótipo. Ele usou o “Bug de maio” como um modelo de tecnologia e conquistou inúmeros engenheiros e jornalistas com os test-drive, provando o valor de seu conceito Volkswagen. Isto incluiu pessoas como Ferdinand Porsche, que testou o bug antes de projetar um veículo similar para a empresa de motocicletas Zündapp. No verão de 1931, o Bug de Maio foi transportado por caminhão para Stuttgart, onde foi severamente testada pelo conselho de administração e Os engenheiros da Mercedes-Benz. Isto resultou no desenvolvimento de um carro “Beetle-like” com um motor boxer montado na parte traseira,de 4-cilindros, concebido com a assistência de Josef Ganz. Ele havia até então sido empregado como engenheiro consultor por ambos Mercedes-Benz e BMW. Os fabricantes que antes haviam combatido Ganz e seu “motor-Kritik” tentando silenciar sua voz crítica passaram a adotar suas idéias revolucionárias.
Usando muitas patentes de Ganz, em fevereiro de 1933no Motor Berlim foram apresentados uma versão com carroceria fechada em forma de besouro. Hitler tinha sido nomeado Chanceler da Alemanha menos de duas semanas antes e ao visitar a feira elogiou o trabalho dos engenheiros alemães e manifestou interesse sério na idéia de um Volkswagen para motorizar o povo alemão. A Gestapo falsamente acusou Ganz de chantagear a indústria do
automóvel
e o prendeu em Berlim, em maio de 1933. Ganz ficou preso por um mês e só foi liberado graças a amigos muito influentes. Apesar de ter sido libertado da prisão, a Gestapo perseguia
Ganz  como editor-chefe da Motor-Kritik , e como consultor e engenheiro da BMW e Mercedes-Benz.   . Os nazistas queriam ter certeza que as ligações dos judeus com a Volkswagen fossem
apagados da história. Eles proibiram Ganz de publicar qualquer reportagem ou então que
a imprensa alemã de publicasse
alguma coisa sobre ele. Nesta época Ganz foi para a Suiça em férias e isso salvou a sua vida devido à
perseguição e assassinatos efetuados pela Gestapo. Ele foi posteriormente advertido por um amigo para não voltar para a Alemanha.
Ele só fez uma viagem secreta  para salvar seus arquivos indo até
Frankfurt. Depois de percorrer
 toda a Europa por quase um ano, Josef Ganz estabeleceu-se em Zurique, na Suíça. Lá, ele expôs
 o protótipo de seu  invento  para oficiais do governo suíço e conseguiu um contrato para desenvolver um “Volkswagen feito na
Suíça ” com o financiamento do Estado – exatamente como Porsche estava fazendo na Alemanha. Os primeiros protótipos do Volkswagen feito na
Suíça foram concluídas em 1937 e se assemelhava aos esboços originais de
Ganz de 1923. Os planos de produção abrangiam
a Suíça, França e Polônia porém neste país houve uma
 parada abrupta depois que o exército alemão invadiu  o país em 1939. A Europa estava em guerra. Josef Ganz sobreviveu à guerra na Suíça,
 mas enfrentou muitos problemas com a empresa suíça que tentou obter os
 créditos  do seu design . Estes e outros eventos resultaram em processos judiciais longos após a guerra. O
Volkswagen Suíço
 foi produzido apenas em pequenas quantidades,  variação do francês chamado Julien MM5. Deixando todos os seus problemas na Europa para trás, Josef Ganz emigrou para a Austrália em 1951.
 Ele encontrou emprego como engenheiro na General Motors – Holden até
 que devido à problemas de saúde  forçaram-no
a se aposentar. Ele sofreu vários ataques cardíacos e praticamente tornou-se um inválido, passando seus dias em casa trabalhando em suas memórias. Josef Ganz morreu na obscuridade em 26 de julho de 1967

Celular: utilidades que você pode precisar e não sabe…sabe?

Enviado pelo amigo Silvio L.

 
CONHEÇA AS QUATRO UTILIDADES QUE ESTÃO ESCONDIDAS EM SEU CELULAR.

04 coisas que você nunca soube sobre seu celular.

Será útil manter essas informações com você.

Existem algumas coisas que podem ser feitas em caso de emergência.

Seu celular é uma ferramenta que pode salvar sua vida.

Veja o que ele pode fazer por você:

Emergência I

O número universal de emergência para celular é 112

Se você estiver fora da área de cobertura de sua operadora e tiver alguma emergência, disque 112 e o celular irá procurar conexão com qualquer operadora possível para enviar o número de emergência para você, e o mais interessante é que o número 112 pode ser digitado mesmo se o teclado estiver travado. Experimente!

Emergência II

Você já trancou seu carro com a chave dentro?

Seu carro abre com controle remoto? Bom motivo para ter um celular.

Se você trancar seu carro com a chave dentro e a chave reserva estiver em sua casa, ligue pelo seu celular, para o celular de alguém que esteja lá. Segure seu celular cerca de 30cm próximo à porta do seu carro e peça que a pessoa acione o controle da chave reserva, segurando o controle perto do celular dela. Isso irá destrancar seu carro, evitando de alguém ter que ir até onde você esteja, ou tendo que chamar socorro. Distância não é impedimento. Você pode estar a milhares de quilômetros de casa, e ainda assim terá seu carro destrancado.

Emergência III *3370#

Vamos imaginar que a bateria do seu celular esteja fraca. Para ativar, pressione as teclas: *3370#

Seu celular irá acionar a reserva e você terá de volta 50% de sua bateria. Essa reserva será recarregada na próxima vez que você carregar a bateria.

Emergência IV *#06#

Para conhecer o número de série do seu celular, pressione os seguintes dígitos: *#06#

Um código de 15 dígitos aparecerá. Este número é único. Anote e guarde em algum lugar seguro. Se seu celular for roubado, ligue para sua operadora e dê esse código. Assim eles conseguirão bloquear seu celular e o ladrão não conseguirá usá-lo de forma alguma. Talvez você fique sem o seu celular, mas pelo menos saberá que ninguém mais poderá usá-lo. Se todos fizerem isso, não haverá mais roubos de celular.

PS: Essas informações não são conhecidas, por isso passe para seus amigos e familiares.

O café – quando ele é amargo…

O café é uma complexa sopa química, e muitos de seus componentes, incluindo alguns que produzem adstrigência e também alguns ácidos, são responsáveis pelo amargor da bebida.

A variedade do grão, o modo como ele é processado e torrado, o método de fermentação, a

temperatura e até os componentes químicos presentes na água usada na preparação também

influenciam para o gosto amargo da bebida.

Algum grau de amargor é desejável no café, segundo os especialistas porque isso reduz a percepção de acidez, produzindo sabor mais equilibrado.

Entre as substâncias químicas possivelmente implicadas com o amargor do café estáo os

alcalóides quinino e trigonelino, os ácidos cafeínico, clorogênico, cítrico, málico, láctico,

pirúvico e acetico, o 5-hidroximetilfurfural,o metil-furano,o furfurlimercaptano,o pirazina,o

tiazol, a quinolina, a fenilpirídina e a própria cafeína.

Segundo pesquisas, o amargor pode ser reduzido utilizando água que contém substâncias minerais.

A fermentação a altas temperaturas também reduz o amargor do café, talvez porque os químicos mais aromáticos sejam liberados, anulando os mais amargos.

O código de barras…como funciona.



Os 3 primeiros dígitos do código de barras indicam em qual país foi fabricado um produto (para códigos de barra padrão UPC).
Os próximos números vão depender da quantidade de produtos que a empresa possui.
Geralmente os 5 próximos dígitos são o código da empresa e os 4 próximos são o código do produto.
E o último código é um dígito verificador de todos os outros números. Veja na tabela de onde veio o produto que você comprou.

Cidadão paga…paga…e paga…

fonte: http://blog.gbolso.com.br

Quando um cidadão vai preso, ele não pode “prover o sustento de seus familiares”. Sendo assim, o governo dá uma espécie de “bolsa marginal” com valores de R$ 752,12 ao mês !!!

Sim… Eles recebem “Salário” para ficarem presos… Se pensarmos que além do salário, ganham mais do que muito pai de familia, se considerarmos que possuem ainda proteção 24 horas, serviço de saúde, acompanhamento psicológico, alimentação balanceada por nutricionistas, comida de primeira qualidade, não pagam impostos, possuem equipamentos de ginástica, quadras poli-esportivas, podem sair em épocas festivas e o melhor, não têm preocupação em ser mandado embora do “trabalho” e ao contrário dos garis, nem precisam ter ensino fundamental !!!

Começa a pensar em se tornar um presidiário de carreira ? Então leia mais abaixo e veja por seus próprios olhos na página da previdência social, os benefícios aos “presos”.Fica agora a pergunta: O Estado paga algo a título de indenização para as vítimas dos atos dos presidiários, que pagam impostos e cumprem a lei?CLARO QUE NÃO !!!

Legislação-previdência social:

Auxílio-reclusãoO auxílio-reclusão é um benefício devido aos dependentes do segurado recolhido à prisão, durante o período em que estiver preso sob regime fechado ou semi-aberto. Não cabe concessão de auxílio-reclusão aos dependentes do segurado que estiver em livramento condicional ou cumprindo pena em regime aberto. Para a concessão do benefício, é necessário o cumprimento dos seguintes requisitos: – o segurado que tiver sido preso não poderá estar recebendo salário da empresa na qual trabalhava, nem estar em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço;- a reclusão deverá ter ocorrido no prazo de manutenção da qualidade de segurado;- o último salário-de-contribuição do segurado (vigente na data do recolhimento à prisão ou na data do afastamento do trabalho ou cessação das contribuições), tomado em seu valor mensal, deverá ser igual ou inferior aos seguintes valores, independentemente da quantidade de contratos e de atividades exercidas, considerando-se o mês a que se refere.

Equipara-se à condição de recolhido à prisão a situação do segurado com idade entre 16 e 18 anos que tenha sido internado em estabelecimento educacional ou congênere, sob custódia do Juizado de Infância e da Juventude.
Após a concessão do benefício, os dependentes devem apresentar à Previdência Social, de três em três meses, atestado de que o trabalhador continua preso, emitido por autoridade competente, sob pena de suspensão do benefício. Esse documento será o atestado de recolhimento do segurado à prisão .