Como fazer uma mini-cisterna ! Using rain water !

http://player.mais.uol.com.br/embed_v2.swf?mediaId=15289265&ver=3

Anúncios

O mar sem plástico! solução à vista! !(com legendas) Brilliant Boyan Slat: no plastic in the Ocean!

Enquanto no Brasil, a juventude aplaude o quadradinho de 8 como genial, na Holanda um jovem acha a solução para a limpeza dos oceanos para o problema do plástico flutuante. Brilliant idea from a Holland young Man: a way to clean from plastic all the ocean in 5 years. See the entire video below:

Estudante de 19 Anos Cria Uma Máquina que é Capaz de Limpar Todo o Plástico dos Oceanos em 5 Anos.

Boyan Slat, holandês e estudante de engenharia, desenvolveu o projeto de uma máquina que seria capaz de retirar mais de 7 milhões de toneladas de plástico dos oceanos.

O invento se chama Ocean Cleanup Array, e se trata de uma estrutura que se comporta como um gigantesco filtro. Ela seria posicionada em pontos estratégicos dos oceanos, onde há maior concentração de lixo, e seria capaz de recolher todo o material flutuante. Após isso uma equipe recolheria o OCA e separaria a vida marinha do plástico. Como o lixo recolhido ainda fica em contato com a água, a fauna oceânica ficaria segura, mesmo sendo recolhida. O plástico “limpo” restante seria encaminhado a reciclagem.

De acordo com Boyan, seu invento seria capaz de limpar os oceanos em um período de 5 anos, tornando os mares completamente livres dos plásticos flutuantes e eliminando a ilha de lixo presente no Oceano Pacífico.

O jovem ganhou seu primeiro prêmio aos 14 anos, Melhor Ideia do Sul da Holanda, e entrou para o livro dos recordes.


Um filtro para água, muito bom! An excellent filter to your water!


Sempre lembrando que “água limpa demais não dá peixe…”

Encontre este filtro no Amazon: $ 11.99

http://www.amazon.com/exec/obidos/ASIN/B005HN206M/downandoutint-20
Dependendo do filtro que você utilizar a água não fica clara!Eles vendem em opções “1°” e “3°” mundo.Curioso esta parte…

Veja toda a água do planeta! How much water we have?See it

(recebido por e-mail pelo amigo Silvio L.)
As esferas azuis acima representam o tamanho de toda a água do planeta.
Foram calculadas e representam em volume a pequena quantidade real
de todos os oceanos,lagoas,rios,riachos,açudes,etc…
A realidade é que os oceanos em relação à terra são apenas um
pequeno filme do precioso líquido que utilizamos e poluímos
há muito tempo…
A maior esfera representa a totalidade de água,inclusive os oceanos…
O volume calculado é de (1,386,000,000 km cúbicos (km 3 ).

Àgua doce líquida
Quanto do total da esfera azul (maior) é  água doce?  Da água que as pessoas e muitas outras formas de vida precisam para sobreviver, a esfera azul (segunda maior), representa água fresca em estado líquido  (águas subterrâneas, lagos, água do pântano, e rios). O volume chega a cerca de 2.551.100 km 3 (10633450 km³ ), dos quais 99 %  é água subterrânea, não é acessível aos seres humanos. O diâmetro dessa esfera é de cerca de 272,8 km.

Água em lagos e rios
Você pode  perceber  que há uma bolha “minúscula”  quase imperceptível ? Isso representa  água fresca em todos os lagos e rios do planeta( na superfície).Esta água é aquela que a maioria das pessoas,animais e plantas e toda a vida da terra precisa todos os dias. O volume dessa esfera é de cerca de 22.339 km³ . O diâmetro dessa esfera é de cerca de 56,2 km (tente imaginar uma bolha de quase 35 quilômetros de altura)…
Curiosidade:
Se a maior bolha (esfera azul da foto fosse estourada, o fluxo resultante cobriria os Estados Unidos da América (48 estados mais baixos) a uma profundidade de cerca de 107 quilômetros.

Os dados usados ​​nesta página, vem de estimativas de cálculo de  Igor Shiklomanov na distribuição global da água.
Crédito: Howard Perlman , USGS, ilustração globo por Jack Cook , Woods Hole Oceanographic Institution ( © ); Nieman Adam .


Fonte dos dados: Igor Shiklomanov do capítulo “Mundo recursos de água doce” em Peter H. Gleick (editor), 1993, Água em crise : Um Guia para os recursos mundiais de água doce (Oxford University Press, New York).
EUA Departamento do Interior

Pesquisa Geológica dos EUA
URL: http://ga.water.usgs.gov/edu/2010/gallery/global-water-volume.html
 Contato Página: Howard Perlman

Página Última modificação: sexta-feira, 18 – May-2012 11:59:53 EDT

Duas reservas que valem mais que todo o petróleo do mundo!

O Aquífero Alter do Chão é uma reserva de água subterrânea localizada sob os estados do Pará, Amapá e Amazônia.Abastece a totalidade de Santarém e quase a totalidade de Manaus através de poços profundos. Dados iniciais revelam que sua área é de 437,5 mil km2 com espessura de 545 metros.Pesquisadores da Universidade Federal do Pará desenvolvem estudos que podem revelar que o aquífero pode ser maior que o calculado inicialmente, passando inclusive a ser maior que o Aquifero Guarani. Com 86 mil quilômetros cúbicos, o aquifero poderia ser suficiente para abastecer em aproximadamente 100 vezes a população mundial.O Aquífero Guarani é a segunda maior reserva subterrânea de água doce do mundo.

O Alter do Chão ocupa uma pequena área em extensão mas um grande volume, reservando aproximadamente 85 mil Km³ de água contra apenas 55 mil Km³ do aquífero Guaraní.

A seguir entrevista com Andre Montenegro Duarte,graduado em Engenharia Civil Universidade Federal do Pará – UFPA. Na Universidad Politecnica de Valencia realizou o mestrado na área de Engenharia e, na UFPA, onde atualmente é professor, fez o doutorado em Geologia e Geoquímica, intitulado O Valor Econômico e Estratégico das Águas da Amazônia(entrevista realizada
pela IHU On-Line.André Montenegro Duarte – A água que está armazenada no Alter do Chão, com aproximadamente 84 quadrilhões de litros, duas vezes o volume do Aquífero Guarani, não será alterada por obras como uma barragem, hidrovia, pois está no subsolo. O que acontece em algumas obras com grandes áreas de desmatamento, é que provocam uma mudança no ciclo da água, que é o responsável pela recarga e manutenção do Aquífero ao longo desses milhões de anos. Em algum momento essa água será explorada, devido ao fato de ela tem um valor econômico muito grande, mas se não houver recarga, ficará insustentável. Então essas intervenções humanas causam problema não ao volume de água que está lá dentro, mas trazem a possibilidade de alterar o ciclo da água na região, prejudicando a manutenção do Aquífero.

Como já citei, Manaus, Santarém e outras pequenas localidades já são abastecidas com esta água; mas é um volume muito pequeno em relação ao potencial do Aquífero. Sabemos, porém, que a água potável é um bem que está se tornando cada vez mais raro e escasso, por isso está sendo agregado grande valor econômico ao Aquífero, que já desperta o interesse de empresas de grande porte de todo o mundo. Elas estão inclusive adquirindo áreas na região para fazerem a exploração no futuro. Potencialmente tem um mercado muito grande.

IHU On-Line – Mas há uma forma de preservar esse ciclo da água mesmo com a exploração?

André Montenegro Duarte – Nós estamos fazendo alguns estudos que são uma tentativa de gestão e utilização dessa água de forma estacional e inteligente dando valor para a ideia de “não uso”. Ou seja, uma parte seria utilizada e outra preservada. E a essa segunda parte também se agrega valor. Existem posturas teóricas que precisamos implementar para que consigamos implementar estas questões de forma mais pragmática.

IHU On-Line – O senhor pode nos explicar o que é o conceito de valor do “não uso”?

André Montenegro Duarte – Vou te dar um exemplo real: a floresta tem valor quando um madeireiro corta a madeira e a vende. Ela tem também um grande valor quando essa madeira permanece lá, ou seja, em pé. A floresta preservada pode ter um valor de “não uso” muito maior. Um desses valores está ligado ao sequestro de não uso do CO2, hoje já se consegue auferir receita ou valor econômico para a preservação daquele espaço através desse processo. Hoje, existem mercado de resgate de CO2 que possibilita o “não uso”.

A água também pode ter um valor de “não uso” agregado. O mais importante, nesse caso, é, principalmente, preservar o ciclo da água do que o reservatório em si. Para manter o Alter do Chão é preciso preservar o ciclo hidrológico e, para isso, é preciso ter um elemento compensatório.

Uma gigantesca reserva de água doce fica no subsolo da América do Sul: O aquífero Guarani.No Brasil ele se estende pr oito estados do Sul,Sudeste e Centro-Oeste.O Aquífero se espalha também pela Argentina,Uruguai e pelo Paraguai.
Nomeado em homenagem à tribo Guarani, possui um volume de aproximadamente 55 mil km³ e profundidade máxima por volta de 1 800 metros, com uma capacidade de recarregamento de aproximadamente 166 km³ ao ano por precipitação. É dito que esta vasta reserva subterrânea pode fornecer água potável ao mundo por duzentos anos. Devido a uma possível falta de água potável no planeta, que começaria em vinte anos, este recurso natural está rapidamente sendo politizado, tornando-se o controle do Aquífero Guarani cada vez mais controverso.

obs: alguns estudos dizem que na Austrália encontra-se o segundo maior aquífero.

Estende-se por 1,2 milhão de quilometros quadrados, o que equivale aos territórios da Inglaterra,França
e Espanha juntos.Tem 45 quatrilhões de litros de água…Tem água até 1800 metros de profundidade em
alguns pontos…
70% dele esta no Brasil,a Argentina tem 19% , o Paraguai tem 6% e o Uruguai tem 5%.
Ribeirão Preto em São Paulo é abastecida  100% por esta água…ÁGUA -Situação Mundial – HOJE
97,5% constitui-se de água salgada e apenas 2,5% em água doce
Do total do volume de água doce (34,6 milhões km³) do planeta, cerca de 30,2% (10,5 milhões de km³) pode ser utilizada para a vida vegetal e animal nas terras emersas, pois 69,8% encontram-se nas calotas polares, geleiras e solos gelados
Dos 10,5 milhões de km3 de água doce, cerca de 98,7% (10,34 milhões de km³), corresponde à parcela de água subterrânea, e apenas 92,2 mil km³ (0,9%) corresponde ao volume de água doce superficial (rios e lagos), diretamente disponível para as demandas humanas, que corresponde a 0, 008% do total de água no mundo.



A América do Sul e a Ásia concentram os maiores potenciais de recursos hídricos do mundo, com 12.379 e 11.727 km³/ano, respectivamente, seguidas pela América do Norte com 7.480 km³/ano e a Europa com 6.631 km³/ano (FAO, 2002a). Os menores potenciais encontram-se na África, Oceania e América Central (3.950, 1.711 e 781 km³/ano, respectivamente).

Alguns oasis pelo mundo…( texto em inglês)

This wonderful desert lake is set within Lençóis Maranhenses National Park, Maranhao, Brasil. It forms part of a system of fresh water lagoons which fill up with rainwater during the first six months of the year and then gradually evaporate over time to be topped up again the following year. Some of the lakes within the park are dotted with palm trees. This lonely lake, however, has one solitary dry branch decorating its banks.

Huacachina is a small oasis town in the Ica region of southwest Peru. This oasis, named ‘Oasis of Americas’, is a popular resort with local families and tourists. A legend says the lagoon was created when an inquisitive young hunter disturbed a beautiful princess bathing. She fled, leaving the pool of water behind which became the lagoon.

Ubari Lakes are part of Erg Awbari Oasis in the Sahara. Located near Fezzan and 30kms north of Germa in Libya, these salt water lakes are a central trading point for many locals, who gather at the edges of the lake selling souvenirs and other goods.

The beautiful oasis of Chebika in Tunisia is probably one that most people know about without realizing it. It is where Star Wars Episode IV: A New Hope was filmed. The story goes that the oasis was actually named after one of the characters, Chewbacca.

This oasis is hidden in the depths of the Oman desert, where a number of green oases dot the landscape. A few oases in the tiny Sultanate, on the corner of the Arabian Peninsula, are hotspots for botanical studies into agro-biodiversity where many of the ancient oasis are in rapid decline; researchers want to figure out why.

Nahal David is a quiet oasis found near Bethlehem, Israel’s Palestinian West Bank. It’s certainly a far cry from the war-torn images often associated with that part of the world.