Como fazer um ótimo café – A ciência do café!

Vamos focar os processos físicos e químicos que compõem a preparação do café, a começar por um dos métodos mais simples (e cada vez mais populares): pourover (entornar a água).Este método descrito abaixo serve para quem tem máquina de moagem de grãos de café. Serve também para café vendido em pacote, já moído. 


Fazer café “Pourover” começa com café moído na hora, um filtro e um suporte, geralmente chamada de suporte para a água- gotejador.
No nível mais básico,” pourover ” envolve derramar água sobre e através do pó para extrair os sabores do café em seu recipiente de servir. Parece simples, certo?
Mas vamos a alguns níveis mais profundos! Todos os métodos de preparação de café envolvem os mesmos três fases gerais: umedecer , dissolver e difusão .

Cada fase está ligado aos outros, e eles afetam o que vem a seguir, em alguns aspectos importantes. Entornando a água no café. Café Pourover (ao contrário de alguns outros métodos) é repor continuamente o líquido ao redor do pó de café com água nova, mais fresca. Isto promove, um resultado mais rápido e eficiente.
 Por outro lado, a água fresca também tem a tendência de extrair mais das camadas superficiais do pó. É uma espécie de como fritar batatas em cubos em uma panela muito quente. Comparado a uma panela mais fria, as batatas vão cozinhar mais rápido, mas também há o risco de que você exagere, principalmente nas laterais. Derramando uma corrente de água, ao invés de um efeito do tipo chuveiro, resulta em um ambiente com alguns graus mais elevados, apenas reduzindo a perda de temperatura da superfície a partir desses cursos de água estreitos. Temperatura e qualidade da água afeta a velocidade da reação global do conjunto.
Molhando o café.

 Umedecer é exatamente o que parece: o café é seco e você torná-lo molhado. A razão que você precisa pensar sobre isso como uma fase inteira é porque não é tão simples quanto parece. Um dos principais subprodutos de torrefacção de café É o dióxido de carbono.O dióxido de carbono é, literalmente, preso na estrutura celular do grão de café, e lixivia lentamente ao longo de semanas. Com cafés torrados, o processo de torrefação faz fisicamente um buraco em cada célula, e a maior parte com CO2 em seu interior. Quando você despeja no pó de café a água quente, o CO2 consegue escapar em forma de bolhas para fora. O problema é que se o gás dióxido de carbono está saindo, a água não é capaz de entrar. À medida que você começar a entornar a água em sua bebida, você deve adicionar apenas o suficiente para molhar, então é bom parar e deixar escapar o gás por cerca de 30 segundos. Você vai ver a superfície inchar e expandir, resultando no que os profissionais chamam de “bloom”.

 Dissolvendo o café.

 A palavra “dissolução” se parece muito com a palavra “dissolver”, e isso é exatamente o que se trata. Uma vez que as moagens de café são totalmente úmidas, a água quente irá dissolver-se os produtos solúveis (também chamados de solutos) nas células dos grãos. Parte do que torna o processo de mistura ideal do café difícil é que o complexo coquetel de substâncias orgânicas inclui ambos os tipos agradáveis ​​e desagradáveis. Sorte para nós, é que um dos fatos convenientes da química do café é que os solúveis desejáveis ​​e saborosos se dissolvem na água mais rapidamente do que as substâncias desagradáveis ​​de sabor, de modo que para obter uma bebida saborosa é necessário saber como parar a fabricação da bebida no momento perfeito -exatamente após quando você dissolveu os bons sabores, mas antes que os sabores desagradáveis ​​começam a dominar.

 Difusão do café

 A difusão é fazer com que o material dissolvido seja transportado para fora do pó de café no tempo certo. As estruturas da parede celular dos nossos grãos de café são membranas semipermeáveis, então a pressão de osmose impulsiona a bebida para fora das câmaras dos resíduos de café para o meio ambiente mais aguado.

 Tempo e ajustes

 A maioria dos grãos de café torrado, cerca de dois terços da massa do grão, é a celulose insolúvel. O outro terço é solúvel em água. Desse terceiro solúvel, a maior parte dele é a parte boa, especialmente vários ácidos orgânicos e açúcares. O resto são moléculas de cadeia mais longa que nós associamos com sabores adstringentes e amargos. Onde encontrar o equilíbrio certo está no ponto 19-20%, ou seja, se você extrair 19-20% da massa do café,há grande chance de encontrar o melhor equilíbrio do sabor. Mais do que isso você vai encontrar os sabores adstringentes e amargos (começam a dominar). Menos do que isso e você vai encontrar os sabores resultantes fina e desequilibrado, café pouco torrado, ficará excepcionalmente azedo.
O tempo é realmente o que faz ou quebre a sua bebida de café. Um problema é que estamos lidando com borra de café que são todos do mesmo tamanho e forma. Uma vez que os tamanhos de partículas não são uniformes, alguns bits vão chegar ao nível desagradável de sabor antes que os de maior porte. Quanto você vai ter que lidar com este problema depende da qualidade do moedor de que você está usando. Ajustando sua bebida ” pourover ” significa encontrar a combinação certa de tamanho da moagem (mais grosso ou mais fino), receita (proporção de café para água), e tempo de infusão. Mas a rapidez com que a água vai escorrer pela sua camada de café depende de quanto a própria camada de café retarda esse fluxo. Mais café ou menos café resultará em um fluxo mais lento, e o oposto também é verdadeiro.
Uma das desvantagens pourover da bebida é que o fluxo de líquido é tão intrinsecamente ligado ao tamanho da moagem e profundidade do leito. Obter a melhor bebida pode envolver um monte de tentativa e erro! Enquanto entornar (pourover) a bebida não exige uma chaleira especial para derramar,um bico estreito faz com que seja mais fácil de controlar o que está fazendo. Uma das grandes diferenças entre o café pourover e fazer café em uma máquina de gotejamento é que, com pourover, você é capaz de observar com clareza tudo o que está acontecendo. Ter uma chaleira de bico estreito ajuda a maximizar o controle, e “deitar” a água direto onde você quer que seja necessário. Pode aquecer a água mais alguns graus acima, mantendo a temperatura no leito e mantendo totalmente molhado. Deixando sua superfície do café secar pode cair a temperatura da bebida até 5 ° C ou mais, porque a água que evapora da superfície é suficiente para esfriar as coisas de forma significativa. A temperatura mais alta mantém as reações químicas rápidas, e quando for tecnicamente possível ter sua água sempre muito quente, você vai sair-se bem na maioria das situações.

 Fazendo em casa

 Aqui está a minha técnica básica para fazer o café pourover em casa. Você terá que experimentar com as diferentes variáveis ​​e provar os resultados definindo o método que funciona para você. Tenha um cronômetro ou relógio para o seu tempo de fermentação. O seu telefone pode ter um escondido na seção ‘Relógio’ em algum lugar.
 1. Comece com um tamanho de moagem parecido com açúcar grosso. Quanto: A maioria dos gotejadores pourover funcionam melhor quando estão entre metade a dois terços cheias de borra de café. Menos do que isso não haverá café suficiente para restringir o fluxo. Qualquer coisa a mais, e seu gotejador pode transbordar. Você também vai querer certificar-se de que você está pingando em um vaso grande o suficiente. Se você é do tipo mais-medição precisa, uma boa relação café-água é entre 60-70 gramas de café por litro de água (uma relação de massa 01:16 – 01:14).
 2. marque o seu relógio e adicione água suficiente para absorver todo o café (um pouco gotejamento prematuro está bem). Aguarde até que a superfície do café pare o inchaço inicial (cerca de 30 segundos) antes de adicionar mais água.
 3. Continue a fazer a sua bebida. Tente deitar a água rapidamente, delicadamente, e uniformemente em toda a superfície do café, fazendo uma pausa entre derramar e dar tempo para a infusão (veja abaixo). A distância que as suas gotas de água estão podem afetar as temperaturas de fermentação, bem como aumentar ou diminuir a quantidade de agitação que a água que cai cria onde quer que ela caia na superfície do café. Em geral, quanto menos você derramar, melhor. Quando você parar de adicionar água, o gotejador continuará a escorrer por entre 20 e 60 segundos. O tempo total de infusão-alvo é de cerca de 2,5 a 3 minutos para café torrado escuro, e de 3 a 4 minutos para o café torrado. Isso inclui o tempo de gotejamento depois de parar de adicionar água. Faça os ajustes! Se o seu café tem um gosto fraco, provavelmente você está com a moagem muito grossa, tente uma moagem mais fina da próxima vez. Se o seu café tem um gosto muito forte, da próxima vez use um pouco menos café, ou simplesmente acrescentar um pouco de água quente para a bebida. 

artigo extraído do site : http://www.seriouseats.com/2014/06/make-better-pourover-coffee-how-pourover-works-temperature-timing.html autor Nick Cho. Nick é o co-fundador da Wrecking Ball Coffee Roasters , em São Francisco, e produz e hospeda o Portafilter.net Podcast para Profissionais de café. Siga-o no Twitter em nickcho.

Anúncios

O novo supercomputador da Receita Federal – o HAL

MONITORAMENTO DE CONTAS BANCÁRIAS PELO BANCO CENTRAL
É importante que você tenha conhecimento que suas contas bancárias estão sendo
monitoradas pelo Governo.
Apelidado de Hal, o cérebro eletrônico mais poderoso de Brasília fiscalizará as
contas bancárias de todos os brasileiros.

E os “homens públicos suspeitos” – com todas as evidências de falcatruas e roubos…quem fiscalizará?quem punirá?Tudo vai terminar numa gigantesca pizza! Que o governo utilize esta ferramenta que gasta muito menos que qualquer CPI e que
já funciona conforme abaixo relatado…

Dia 07 de setembro as 17 horas faça barulho – Proteste!

Chega de ser roubado,enganado e exposto ao ridículo!!! vamos reagir à expoloração??

O que é isto povo brasileiro?

O que somos ? um monte de cagões?
Desde a manhã da segunda-feira do dia 07/05/2009, trabalha sem cessar no quinto
subsolo do Banco Central um supercomputador instalado especialmente para reunir,
atualizar e fiscalizar todas as contas bancárias das 182 instituições financeiras
instaladas no País.
Seu nome oficial é Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional – CCS na
sigla abreviada, já apelidado de HAL.
A primeira carga de informações que o computador recebeu durou quatro dias.
Ao final do processo, ele havia criado nada menos que 150 milhões de diferentes
pastas – uma para cada correntista do País, interligadas por CPF’s e CNPJ’s aos
nomes dos titulares e de seus procuradores
.
A cada dia, Hal acrescentará a seus arquivos cerca de um milhão de novos registros,
em informações providas pelo sistema bancário.
Quando o sistema se estabilizar, o CCS deverá responder a cerca de 3 mil consultas
diárias.
Toda conta que for aberta, fechada, movimentada ou abandonada, em qualquer
banco do País, estará armazenada ali, com origem, destino e nome do proprietário.
São três servidores e cinco CPU’s de diversas marcas trabalhando simultaneamente,
no que se costuma chamar de cluster.
Este conjunto é o novo coração de um grande sistema de processamento que ocupa
um andar inteiro do edifício-sede do Banco Central.

Seu poderio não vem da capacidade bruta de processamento, mas do software que o
equipa.
Desenvolvida pelo próprio BC, a inteligência artificial do Hal consumiu a maior parte
dos quase R$ 20 milhões destinados ao projeto – gastos principalmente com a
compra de equipamentos e o pagamento da mão-de-obra especializada.

Só há dois sistemas parecidos no planeta. Um na Alemanha, outro na França, mas
ambos são inferiores ao brasileiro
. No alemão, por exemplo, a defasagem entre a
abertura de uma conta bancária e seu registro no computador é de dois meses.

Aqui, o prazo é de dois dias. Não por acaso, para chegar perto do Hal, é preciso
passar por três portas blindadas, com código de acesso especial.
Visto em perspectiva, o sistema é o complemento tecnológico do Sistema Brasileiro
de Pagamentos (SBP), que, nos anos de Armínio Fraga à frente do BC, uniformizou as
relações entre os bancos, as pessoas, empresas e o governo.

Com o Hal, o Banco Central ganha uma ferramenta tecnológica a altura de um
sistema financeiro altamente informatizado e moderno. “Recuperamos o tempo
perdido”, diz o diretor de Administração do BC, João Antônio Fleury.

O supercomputador promete, também, ser uma ferramenta decisiva no combate a
fraudes, caixa dois e lavagem de dinheiro no Brasil. ‘ “Vamos abrir senha para que os
juízes possam acessar diretamente o computador”, informa Fleury.
O banco de dados do Hal remete aos movimentos dos últimos cinco anos.

Antes de sua chegada, quando a Justiça solicitava uma quebra de sigilo bancário, o
Banco Central era obrigado a encaminhar ofício a 182 bancos, solicitando
informações sobre um CPF ou CNPJ. Multiplique-se isso por três mil pedidos
diários. São 546 mil pedidos de informações à espera de meio milhão de respostas.
Em determinados casos, o pedido de quebra de sigilo chegava ao BC com um mimo:
“Cumpra-se em 24 horas, sob pena de prisão”.
A partir da estréia do Hall, com um simples clique, COAF, Ministério Público, Polícia
Federal e qualquer juiz têm acesso a todas as contas que um cidadão ou uma
empresa mantêm no Brasil
.

R$ 20 milhões foi o orçamento da criação do cadastro de clientes do sistema
financeiro. Sob controle 182 bancos 150 milhões de contas 1 milhão de dados
bancários por dia ….
RECEITA FEDERAL APERTA O CERCO CONTRA OS CONTRIBUINTES
Abril/2009
Todos devem começar a acertar a sua situação com o leão, pois no próximo ano o
fisco começa a cruzar mais informações e no máximo em dois anos eles vão cruzar
tudo.
As informações que envolvam o CPF ou CNPJ serão cruzadas on-line com:
CARTÓRIOS: Checar os bens imóveis – terrenos, casas, aptos, sítios, construções;
DETRANS: Registro de propriedade de veículos, motos, barcos, jet-skis e etc.;
BANCOS: Cartões de crédito, débito, aplicações, movimentações, financiamentos;
EMPRESAS EM GERAL: Além das operações já rastreadas (Folha de pagamentos,
FGTS, INSS, IRR-F e etc,), passam a ser cruzadas as operações de compra e venda de
mercadorias e serviços em geral, incluídos os básicos (luz, água, telefone, saúde),
bem como os financiamentos em geral
. Tudo através da Nota Fiscal Paulista, Nota
Fiscal Eletrônica e Nota Fiscal Digital.
TUDO ISSO NOS ÂMBITOS MUNICIPAL, ESTADUAL E FEDERAL, amarrando pessoa
física e pessoa jurídica através destes cruzamentos inclusive os últimos 5 anos.
Este sistema é um dos mais modernos e eficientes já construídos no mundo e logo
estará operando por inteiro.
Só para se ter uma idéia, as operações relacionadas com cartão de crédito e débito
foram cruzadas em um pequeno grupo de empresas varejistas no fim do ano
passado, e a grande maioria deles sofreram autuações, pois as informações
fornecidas pelas operadoras de cartões ao fisco (que são obrigados a entregar a
movimentação), não coincidiram com as declaradas pelos lojistas.
Este cruzamento das informações deve, em breve, se estender o número muito
maior de contribuintes, pois o resultado foi ‘muito lucrativo’ para o governo.

Sua empresa é optante pelo SIMPLES ? então veja esta curiosidade inquietante:
TRIBUTAÇÃO PELO LUCRO REAL: Maioria das empresas de grande porte.
Representam apenas 6% das empresas do Brasil e são responsáveis por 85% de toda
arrecadação nacional;
TRIBUTAÇÃO PELO LUCRO PRESUMIDO: Maioria das empresas de pequeno e médio
porte. Representa 24% das empresas do Brasil e são responsáveis por 9% de toda
arrecadação nacional;
TRIBUTAÇÃO PELO SIMPLES NACIONAL: 70% das empresas do Brasil e respondem por
apenas 6% de toda arrecadação nacional, ou seja, é nas empresas do SIMPLES que o
FISCO vai focar seus esforços, pois é nela onde se concentra a maior parte da
informalidade.
A recomendação é de que as empresas devem se esforçar cada vez mais no sentido
de “ir acertando” os detalhes que faltam para minimizar problemas com o FISCO.
Leia a matéria abaixo para maiores esclarecimentos
.
FISCO APERTA O CONTROLE DOS CONTRIBUINTES
A Receita Federal passou a contar com o T-Rex, um supercomputador que leva o
nome do devastador Tiranossauro Rex, e o software Harpia, ave de rapina mais
poderosa do país, que teria até a capacidade de aprender com o ‘comportamento’
dos contribuintes para detectar irregularidades.

O programa vai integrar as secretarias estaduais da Fazenda, instituições
financeiras, administradoras de cartões de crédito e os cartórios.
Com fundamento na Lei Complementar nº 105/2001 e em outros atos normativos, o
órgão arrecadador-fiscalizador apressou-se em publicar a Instrução Normativa RFB
nº 811/2008, criando a Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira
(DIMOF), pela qual as instituições financeiras têm de informar a movimentação de
pessoas físicas, se a mesma superar a ínfima quantia de R$ 5.000,00 no semestre, e
das pessoas jurídicas, se a movimentação superar a bagatela de R$ 10.000,00 no
semestre. A primeira DIMOF será apresentada até 15 de dezembro de 2008.
IMPORTANTE: O acompanhamento e controle da vida fiscal dos indivíduos e das
empresas ficará tão aperfeiçoado que a Receita Federal passará a oferecer a
declaração de imposto de renda já pronta, para validação do contribuinte, o que
poderá ocorrer já daqui a dois anos.
Apenas para a primeira etapa da chamada Estratégia Nacional de Atuação da
Fiscalização da Receita Federal para o ano de 2008 foi estabelecida a meta de
fiscalização de 37 mil contribuintes, pessoas físicas e jurídicas, selecionados com
base em análise da CPMF, segundo publicado em órgãos da mídia de grande
circulação.
O projeto prevê, também, a criação de um sistema nacional de informações
patrimoniais dos contribuintes, que poderia ser gerenciado pela Receita Federal e
integrado ao Banco Central, Detran, e outros órgãos.
Para completar, já foi aprovado um instrumento de penhora on-line das contas
correntes.
Por força do artigo 655-A, incorporado ao CPC pela Lei 11382/2006, poderá
requerer ao juiz a decretação instantânea, por meio eletrônico, da indisponibilidade
de dinheiro ou bens do contribuinte submetido a processo de execução fiscal.
Tendo em vista esse arsenal, que vem sendo continuamente reforçado para
aumentar o poder dos órgãos fazendários, recomenda-se que o contribuinte
promova revisão dos procedimentos e controles contábeis e fiscais praticados nos
últimos cinco anos
. A Receita está trabalhando mesmo.
Hoje a Receita Federal tem diversos meios – controles para acompanhar a
movimentação financeira das pessoas. Além da DIMOF, temos a DIRPF, DIRPJ,
DACON. DCTF, DITR, DIPI, DIRF, RAIS, DIMOB, etc. etc. Ou seja, são varias fontes de
informações.
Esse sistema HARPIA, já estava em teste há 2 dois anos, e agora está trabalhando
pra valer.
Com a entrada em vigor da nota fiscal eletrônica e do SPED, que vai começar pra
valer em 2009, essa situação vai piorar, ou melhor, melhorar a arrecadação.
Todo cuidado é pouco. A partir de agora todos devem ter controle de todos os
gastos no ano e verificar se os rendimentos ou outras fontes são suficientes para
comprovar os pagamentos, além das demais preocupações, como lançar
corretamente as receitas, bens, etc.

Algumas idéias – a mente

“Quando se é feliz na ignorância é loucura tornar-se sábio”

“Convença-se de que você obtém o correspondente ao que você dá.”

“Para vivermos em paz com o mundo é necessário sermos capazes de viver em paz com nós mesmos.Uma luta constante entre a consciência, a qual foi criada para um viver harmonioso e o
inconsciente, onde os desejos reprimidos passaram a ser de suma importância, produz um sentimento de frustação emocional e encoraja nossa fuga para uma doença neurótica.

As pessoas bem-ajustadas não viram as costas para o inconsciente nem zombam da sua consciência.Aprendem a não ter medo das ocasiões em que a sua mente se dá ao luxo de pensamentos proibidos ou travessos. Não permitem que tomem expressão e nem reprimem os desejos perturbadores, mas , ao contrário aprenderam como controlá-los, analisando-os e entendendo-os.

Definitivamente é a mente que produz o bem ou o mal, que produz a desgraça ou a felicidade, a
riqueza ou a pobreza.

“Controlar os pensamentos:eles fazem de nós o que somos”