Como treinam os top do Jiu-jitsu.:Metamoris 2

Anúncios

O Judô e seu mestre :como começou.


Por volta de 1870, um garoto magro,baixo e leve  começou a tomar aulas de ju-jitsu, em Tóquio. As artes marciais nunca mais seriam as mesmas. 


Em 1878, Jigoro Kano, o filho de 17 anos de idade de um fabricante de saquê, mudou-se da ilha de Honshu para  Tóquio para frequentar a Universidade Imperial de Tóquio. Pouco depois de chegar, ele começou a ter aulas na arte marcial japonesa ju-jitsu . Kano era pequeno, de baixa estatura e pesava muito pouco, mas  incrivelmente focado, e em poucos anos tornou-se um mestre na Tenjin-Shinyo Ryu , ou “Willow Divina Verdade,” escola de ju-jitsu .
Então, ele começou a estudar técnicas de wrestling-incluindo outros estilos ocidentais e começou a desenvolver seus próprios movimentos, principalmente quedas. Em 1882 Kano abriu sua própria escola, começando com apenas 12 alunos.
Na época, ele  ainda estava ensinando uma forma de ju-jitsu, mas em 1884, com a idade de apenas 24 anos, ele fundou uma nova escola de artes marciais,judô , que significa “o caminho suave”.
JU-JISTORY
Ju-jitsu foi a arte marcial dominante no Japão durante séculos. O nome, que significa “a arte da suavidade”, foi usado pela primeira vez em 1500, e se refere a uma grande variedade de técnicas de combate que tinham sido desenvolvidos pela classe guerreira do Japão, os samurais, desde pelo menos o século 12.


Durante seus anos de formação o jujitsu envolveu o uso de armas, tais como espadas e lanças, e foi usado em campos de batalha pelos samurais,sempre fortemente blindados. Em 1600, tudo mudou quando  Tokugawa conquistou o país inteiro.  Os 250 anos seguintes foram relativamente pacíficos, e o ju-jitsu evoluiu naturalmente, refletindo esta paz. Em vez de lutar com armas na armadura, os combatentes estudaram e desenvolveram técnicas de luta desarmados em escolas. Isto é conhecido como a “Idade de Ouro” de ju-jitsu, quando, literalmente, milhares de escolas e estilos diferentes floresceram.
Então, em meados dos anos 1800, tudo mudou de novo: Os Tokugawa perderam o poder e o país emergiu da sua estrutura primitiva, feudal, terminou a sua política de isolamento completo, e abraçou o Ocidente e o mundo moderno e industrializado. Como resultado, antigas tradições japonesas tornaram-se muito impopulares e  isto incluiu o  ju-jitsu. A arte marcial  estava em perigo de desaparecer completamente … mas então Kano apareceu.

Kyuzo Mifune e Jigoro Kano

Jujitsu pode significar “a arte da suavidade”, mas isso é enganador: Inclui o uso de pé e batidas da mão, e pode ser brutal. 
Para tornar a arte mais atraente para as pessoas que não querem os ossos quebrados em uma base regular-Kano fez algumas modificações, fazendo judô verdadeiramente mais “suave”, contando  com lançamentos, imobilizações, e sufocamento com técnicas de submissão.
Mas o aspecto mais importante do judô, de acordo com Kano, foi kuzushi , ou “off-equilíbrio”, que se refere aos movimentos projetados para colocar o adversário fora de equilíbrio, tornando mais fácil para levá-los para o chão. Não era nada de novo, mas nunca tinha sido este um tema central em uma arte marcial antes-e foi muito eficaz. Dentro de meses, Kano começou a bater um dos seus ex-professores jujitsu, algo que nunca tinha feito antes. 
Dois anos mais tarde, por causa do crescente sucesso de Kano, a Polícia Metropolitana de Tóquio organizou um concurso entre os estudantes de Kano de judô e alunos da escola mais popular ju-jitsu na cidade. Oficiais da polícia de Tóquio que normalmente praticavam jujitsu, prometeram que se a escola de Kano fosse a vencedora eles mudariam para o judô. Kano enviou seus 15 melhores alunos.  De  15 lutas venceu 12.
O Judô logo se tornou popular em todo o Japão, e Kano certamente não poderia ter sabido disso na época, mas que eventualmente teria uma enorme influência sobre as artes marciais em todo o mundo.


Uma das maiores influências de Kano sobre outras artes marciais foi o sistema de classificação do aluno que ele escolheu. Kano adotou um sistema simples que praticamente todos os japoneses já estavam familiarizados : Foi a partir de uma jogo de tabuleiro chinês antigo o  Go . O jogo tinha sido muito popular no Japão desde 1600, e desde então tinha usado um sistema de avaliação do jogador que tornou a competição mais justa. Ela consistia separar estudantes em dois grupos: o kyu , ou não-classificado, alunos iniciantes, e o dan , os alunos classificados. Dentro de cada um eram vários níveis (ou graus): seis nas fileiras kyu e 10 no dan . Em 1884 Kano trouxe isso para o judô. Depois vieram as faixas.


Em 1885, dois estudantes de Kano tornaram-se os primeiros a chegar ao primeiro nível dan . No momento todos os estudantes de artes marciais japonesas usavam quimonos simples, com uma faixa branca na cintura. Para dar seus dois dan  aos estudantes um sinal visual de seu conhecimento, Kano  trocou as faixas destes (passaram a usar faixas pretas) e inventou então o sistema de classificação de cor das faixas  que é provavelmente o aspecto mais reconhecido de qualquer arte marcial no mundo de hoje.
 Em 1895  todas as academias do Japão  estavam usando sistema de classificação de Kano,.
 E quando novas escolas de artes marciais mais tarde apareceram, como karatê moderno e aikido, 
eles fizeram uso do sitema de faixas  também.
Kano era um professor especial, empresário e diplomata, e ao longo das décadas seguintes, ele e seus alunos viajaram pelo mundo promovendo a arte marcial que ele fundou, muitas vezes, a convite de líderes mundiais. Por volta de 1920, havia escolas de judô, ou dojos , na maioria dos países europeus, e vários  nos EUA
Jigoro Kado morreu em 1938, aos 77 anos de idade, antes de seu sonho de ver a competição de judô nos Jogos Olímpicos. Finalmente  em 1964, quando Tóquio foi a primeira cidade asiática a sediar os jogos de verão o Judo chegou lá. O país anfitrião poderia escolher ou adicionar um esporte de sua escolha e Japão escolheu 
o judô de Kano.Foi a primeira arte asiática marcial a se tornar um esporte olímpico, e o  judô ainda é uma das artes marciais mais populares no mundo de hoje.
Extra: em 1935, um dos alunos de Kano, Mikonosuke Kawaishi, abriu um dojo em Paris. Para dar mais incentivo ocidentais a permanecer na escola, ele tentou uma inovação: ele começou a concessão de cor diferente cintos-branco, amarelo, laranja, verde, azul e marrom para os seis níveis de iniciantes kyu estudantes, que normalmente usa só branco . Foi um sucesso e rapidamente se espalhou para outras escolas europeias, e ao longo dos anos a muitas outras artes marciais, e, finalmente, em todo o mundo.

Kawaishi















Onde começou o Jiu-Jitsu (brazilian Jiu-Jitsu history)

História do Jiu-jitsu (copiado do site http://www.cbjj.com.br/hjj.htm )
Segundo alguns historiadores o Jiu-jitsu ou “arte suave”, nasceu na Índia e era praticado por monges budistas. Preocupados com a auto defesa, os monges desenvolveram uma técnica baseada nos princípios do equilíbrio, do sistema de articulação do corpo e das alavancas, evitando o uso da força e de armas. Com a expansão do budismo o jiu-jitsu percorreu o Sudeste asiático, a China e, finalmente, chegou ao Japão, onde desenvolveu-se e popularizou-se.

A partir do final do século XIX, alguns mestres de jiu-jitsu migraram do Japão para outros continentes, vivendo do ensino da arte marcial e das lutas que realizavam.

Esai Maeda Koma, conhecido como Conde Koma, foi um deles. Depois de viajar com sua trupe lutando em vários países da Europa e das Américas, chegou ao Brasil em 1915 e se fixou em Belém do Pará, no ano seguinte, onde conheceu Gastão Gracie. Pai de oito filhos, cinco homens e três mulheres, Gastão tornou-se um entusiasta do jiu-jitsu e levou o mais velho, Carlos, para aprender a luta com o japonês.

Franzino por natureza, aos 15 anos, Carlos Gracie encontrou no jiu-jitsu um meio de realização pessoal. Aos 19, se transferiu para o Rio de Janeiro com a família e adotou a profissão de lutador e professor dessa arte marcial. Viajou para Belo Horizonte e depois para São Paulo, ministrando aulas e vencendo adversários bem mais fortes fisicamente. Em 1925, voltou ao Rio e abriu a primeira Academia Gracie de Jiu-Jitsu. Convidou seus irmãos Oswaldo e Gastão para assessorá-lo e assumiu a criação dos menores George, com 14 anos, e Hélio,com 12.

Desde então, Carlos passou a transmitir seus conhecimentos aos irmãos, adequando e aperfeiçoando a técnica à compleição física franzina característica de sua família.

Também transmitiu-lhes sua filosofia de vida e conceitos de alimentação natural, sendo um pioneiro na criação de uma dieta especial para atletas, a Dieta Gracie, transformando o jiu-jitsu em sinônimo de saúde.

De posse de uma eficiente técnica de defesa pessoal, Carlos Gracie viu no jiu-jitsu um meio para se tornar um homem mais tolerante, respeitoso e autoconfiante. Imbuído de provar a superioridade do jiu-jitsu e formar uma tradição familiar, Carlos Gracie lançou desafios aos grandes lutadores da época e passou a gerenciar a carreira dos irmãos.

Enfrentando adversários 20, 30 quilos mais pesados, os Gracie logo adquiriram fama e notoriedade nacional. Atraídos pelo novo mercado que se abriu em torno do jiu-jitsu, muitos japoneses vieram para o Rio, porém, nenhum deles formou uma escola tão sólida quanto a da Academia Gracie, pois o jiu-jitsu que praticavam privilegiava as quedas e o dos Gracie, o aprimoramento da luta no chão e os golpes de finalização.

Ao modificar as regras internacionais do jiu-jitsu japonês nas lutas que ele e os irmãos realizavam, Carlos Gracie iniciou o primeiro caso de mudança de nacionalidade de uma luta, ou esporte, na história esportiva mundial. Anos depois, a arte marcial japonesa passou a ser denominada de jiu-jitsu brasileiro, sendo exportada para o mundo todo, inclusive para o Japão.