Coisas sobre bicicletas e pedalar

Posição na bike: Importante!

Veio do

http://www.ativo.com/bike/papo-de-pedal/posicao-na-bike-centimetros-diferenca-km/

No ciclismo não existe aquela história de que 1 cm a mais ou a menos não faz diferença. Quando se pedala por longas horas e quilômetros, qualquer detalhe no ajuste da posição na bike pode ser determinante para o ciclista em termos de conforto, eficiência ou prevenção de lesões. Por isso, ao adquirir uma nova bicicleta ou apenas trocar algum componente ou acessório — sapatilhas, pedal, selim, pedivela, guidão etc. —, deve-se procurar um profissional de bike fit para o ajuste. A seguir, o fisioterapeuta e bike fitter Fernando Rianho lista três pontos que são fundamentais para a correta posição na bike.

SELIM
Se a altura do selim estiver baixa, as pernas do ciclista ficarão encurtadas e ele perderá eficiência no movimento, além de ter de empregar mais força, sobrecarregando os ligamentos, músculos, cartilagens e tendões. Dores no quadril, no joelho e na lombar são as mais comuns nessa situação. Caso esteja muito alto, a pedalada também perderá eficiência e poderão ocorrer as mesmas lesões por sobrecarga, além do excesso de compressão na região do períneo (parte do corpo que fica em contato com o selim), que pode causar dormência ou dores na área. O ajuste do selim é muito pessoal, mas o ângulo máximo na extensão do joelho deve estar entre 155° e 165° — a perna não pode estar totalmente esticada quando o pedal passar rente ao chão.

LEIA MAIS

Sente dormência nas mãos quando pedala?

Sente dor nas costas ao pedalar?

Sente dor nos glúteos após pedalar?

TACOS DA SAPATILHA
Um simples posicionamento errado dos tacos da sapatilha pode ocasionar dores no joelho, na panturrilha e uma sobrecarga desnecessária no tendão de Aquiles. Apesar de muito se falar numa fórmula geral para colocar o taco — em resumo, ele deve estar no centro da sapatilha, na mesma linha da “bola do pé”, localizada no metatarso ou base do dedão —, a angulação varia de acordo com a morfologia do pé. Portanto, é preciso que um profissional analise as características pessoais para um ajuste correto.

AVANÇO DE GUIDÃO
O avanço (ou mesa) é a peça que conecta o guidão ao quadro da bicicleta e seu tamanho interfere diretamente no conforto e desempenho durante a pedalada. A escolha do avanço ideal vai depender do tamanho do quadro da bicicleta e da flexibilidade do ciclista. Muitos preferem um avanço mais longo, com ângulo mais agressivo, que proporciona uma posição mais aerodinâmica. Se ele for longo demais, no entanto, pode causar dores na região da lombar e do trapézio. Outro problema relacionado ao mau ajuste do avanço é o formigamento nas mãos, na maioria das vezes causado pela pressão excessiva colocada no guidão. O ideal é optar por um mais curto, com ângulo mais conservador, para depois, aos poucos, ir adotando uma posição mais agressiva à medida que o core estiver mais forte.Por Daniel Balsa

AJUSTES NA BICICLETA

Se durante uma prova ou treino você já foi ultrapassado por um grande ciclista, talvez tenha percebido como seus movimentos parecem fáceis e fluidos – a bicicleta não se move de um lado para o outro, o tronco e o quadril ficam completamente estáveis e o giro no pedal produz um som baixo e contínuo. Pedalar de modo eficaz é uma arte, que pode ser dominada com a ajuda de treinos específicos. O treinador brasiliense Marcelo Rocha dá o passo a passo de como conseguir uma pedalada eficiente.

Movimente os tornozelos

Uma vez que o posicionamento no selim esteja correto, a movimentação dos tornozelos se dará de maneira mais natural, sem causar sobrecargas na região. O ideal é que os pés fiquem paralelos ao chão na fase de maior pressão nos pedais (Fase 1) e levemente apontados para baixo (em torno de 20º) durante o restante da pedalada, mobilizando as panturrilhas e o músculo da parte de trás da coxa (posterior ou bíceps femural).

Nas bicicletas de triathlon e contrarrelógio, os ângulos (tanto dos tornozelos quanto de ataque) são mais avançados que nos modelos de estrada com geometria tradicional. Isso faz com que a força da pedalada se concentre mais no músculo frontal da coxa (anterior ou quadríceps), poupando os posteriores para a corrida.

LEIA MAIS

Como melhorar a técnica da pedalada

Mais cadência no pedal, menos esforço

Qual a melhor pegada no guidão de uma bike de estrada?

Fase 1: Pressão (Posição do pedal: 2h–5h)

Fase em que é produzida a maior parte da potência, uma vez que são usados quase todos os músculos das pernas em um movimento de extensão de quadril. Pise nos pedais com força constante, mantendo os pés paralelos ao chão. 

Fase 2: Transição para a puxada(Posição do pedal: 5h–8h)

Primeiro ponto morto da pedalada, quando o pedal atinge a posição vertical para baixo (6h). Nessa fase, siga o conselho do campeão de ciclismo Greg LeMond, dos EUA: esfregue o sapato no chão, como se quisesse tirar uma sujeira da sola.

Fase 3: Puxada (Posição do pedal: 8h–11h)

Estudos recentes comprovam que até mesmo ciclistas profissionais pouco produzem potência nessa fase, exceto durante subidas ou quando pedalam de pé. Pense apenas em retirar o peso da perna, puxando-a na direção do tronco, para que não atrapalhe o trabalho do lado oposto.

Fase 4: Chute (Posição do pedal: 11h–2h)

Segundo ponto morto da pedalada, no nível mais alto (12h). O objetivo é passar por essa fase rapidamente: leve o joelho para frente, na direção do guidão, evitando que o pé fique excessivamente apontado para baixo. Quanto menor a flexão de quadril, maior a facilidade de movimento.

Por Ana Lídia Borba

https://www.ativo.com/bike/treinamento/dicas-pedalada-eficiente/

VIDEOS SOBRE A PREPARAÇÃO  ANTES DO PEDAL- ALONGAMENTOS

 

OUTRO VIDEO:   VEIO DO

http://www.biketribe.com.br/top-10-exercicios-de-alongamento-para-ciclistas/

BERMUDAS DE CICLISMO – POR QUE USAR?

do site:

http://www.freeforce.com.br/blog-detalhe.php?id=116&titulo=BERMUDASDECICLISMO-PORQUUSAR?

Os iniciantes no mundo dos pedais podem adquirir uma certa aversão às famosas bermudas para ciclismo por uma infinidade de preconceitos. Para quem não está acostumado a pedalar, as opiniões errôneas realmente acontecem. Porém deve-se levar em consideração que se fosse algo dispensável para a prática do esporte, por que praticamente todos ciclistas utilizam-nas?

Quando pedalamos, nosso corpo está em contato direto com a bike através das mãos, pés e glúteos. Essas partes são as responsáveis por absorver os impactos que os pneus e suspensão da bicicleta não absorvem. E é justamente aí onde a bermuda de ciclismo faz a maior diferença do mundo. O forro assume o papel de absorver boa parte do impacto que teria que ser absorvido pela sua musculatura e ossos, que causariam dores e assaduras e poderiam acabar por desencorajar futuros pedais. Outro ponto muito importante que pode interferir no conforto dos seus pedais é que essas bermudas, calças e bretelles de ciclismo não são feitos para serem usados com roupas de baixo (cuecas, calcinhas…).

Tanto os forros masculinos, quanto os femininos devem contar com características de adaptação à anatomia dos indivíduos, como no caso do masculino, onde existe a área de alívio do períneo (região muito crítica para a saúde masculina) e a maneira com que o forro feminino se molda à anatomia da mulher.

ONE

Além dos forros, os tecidos utilizados nas bermudas muitas vezes possuem funções que você nem sempre tem conhecimento, como no caso de bermudas feitas com tecido de alta compressão, que tem como função estimular a circulação do sangue nos músculos, evitando fadiga, câimbras e lesões musculares. Esses tecidos com base em fios de elastano são muito maleáveis, quando em comparação com outros tipos de tecido, como o tactel por exemplo, dando ao seu pedal toda a liberdade de movimentação necessária.

 

 

 

Anúncios

Acerte na bicicleta – altura,tamanho do quadro e etc…right size of your bicycle and more…

Sua altura é 1,50 então seu quadro de moutain bike deve ser 14 *
seu quadro de bicicleta de estrada : 48¨¨
__________________________________________________
Sua altura é 1,60 então seu quadro de mountain bike deve ser 16*
seu quadro de bicicleta de estrada: 50,52,54¨¨
___________________________________________________
Sua altura é 1,70 então seu quadro de mountain bike deve ser 17 ou 18*
seu quadro de bicicleta de estrada: 54,55,56¨¨
___________________________________________________
Sua altura é 1,80 então seu quadro de mountain bike deve ser 19 ou 20*
seu quadro de bicicleta de estrada: 57 ou 58¨¨
___________________________________________________
Sua altura é 1,90 então seu quadro de mountain bike deve ser 21 ou 22*
seu quadro de bicicleta de estrada: 60 ou 62¨¨
___________________________________________________
* em polegadas
¨¨ em centímetros
As bicicletas fabricadas no Brasil são, em sua maioria, tamanho 18 ou 19 polegadas.
Há algumas variações na forma utilizada pelos fabricantes para medir suas bicicletas. Portanto, é possível encontrar bicicletas de idênticas medidas, mas que por suas aparências, dão a idéia de tamanhos diferentes.

O tamanho correto de uma bicicleta de estrada ou profissional, bem como seu ajuste ao ciclista, deve ser estabelecida por um profissional especializado.

Abaixo ilustramos duas sugestões para o ajuste de sua bicicleta:

1) Sugestão para bicicletas sem amortecedor

Ajuste de selim: Três dedos abaixo, partindo da parte mais alta do osso da bacia, na lateral do corpo.

Distância entre a ponta do selim e a caixa de direção da bicicleta é igual a distância do cotovelo às pontas dos dedos indicador e anular do ciclcista.

2) Sugestão para bicicletas em geral

A altura do cavalo x 0,88 é igual a medida do selim até o centro do eixo do movimento central da bicicleta, conforme o desenho. Os pés devem estar descalços e o ciclista deve estar vestido com a roupa que habitualmente utiliza para pedalar.

O link abaixo permite você colocar suas medidas e obter a bicicleta ideal.  Ele foi projetado segundo as fórmulas de Greg LeMond, e na página de resultados vocês podem acessar o link com um pdf que explica toda sua metodologia e fórmulas.
Esse bikefit foi feito para ser o mais simples possível, especialmente para ajudar aos novatos na hora de comprar sua primeira bike, e para mostrar a quem não conhece o quanto um fit pode melhorar o seu pedal. Para quem tem a possibilidade de fazer, é altamente recomendável procurar um profissional da área, especialmente se você sente algum desconforto crônico ao pedalar.

clique no texto em azul ou digite o endereço:

link para site que calcula as medidas ideais para sua bike:

http://www.nograu.com.br/bike-fit-no-grau/

Dores? joelhos doem?pronadores?utilizar palmilha? leia aqui:

orientações para evitar a dor. Medidas certas!

http://www.tuttobike.com.br/tabela

 

O video abaixo, feito na Itália (antigo) mostra a fábrica de bicicletas Tommasini. Logo no início como são tomadas as medidas para a confecção do quadro no tamanho correto.

 

ou veja no Facebook:

 

Conforto, esporte ou força?
As diferenças do desenho do quadro para o ciclista:


1- Distância entre eixos:
longa (ideal para iniciantes): a bicicleta tem reações mais lentas, previsíveis; absorve melhor os impactos do solo.
curta (ideal para profissionais): quanto mais curta é a bicicleta, mais rápidas são suas reações, tanto direcionais como nas respostas à força do ciclista.

2- Distância de apoio entre selim e guidão:
curta (ideal para plano, uso urbano e iniciantes): serve para manter o ciclista numa posição de condução mais em pé, o que facilita olhar o trânsito. O ciclista fica mais exposto ao vento, o que torna a bicicleta mais lenta. Ciclista em posição mais em pé tem maior dificuldade em realizar subidas. O pescoço é menos exigido. A lombar passa a ser o amortecedor do ciclista.

longa (ideal para esportistas e profissionais): visa retirar o máximo do funcionamento muscular do corpo do ciclista. Facilita arrancadas, subidas e mudanças bruscas de direção, permitindo uma condução agressiva. Como o corpo do ciclista fica mais deitado, há menos arrasto aerodinâmico, facilitando a manutenção de altas velocidades.

3- Altura do movimento central:

baixo: abaixa o centro de gravidade do conjunto bicicleta/ciclista aumentando a estabilidade. Mas, ao mesmo tempo, diminui a distância dos pedais para o chão, o que obriga o ciclista a ter certos cuidados ao pedalar, principalmente em curvas.

alto: facilita a transposição de obstáculos, permitindo que se pedale em terrenos irregulares ou acidentados. Normalmente encontrado em mountain bikes. Com elas é difícil o pedal tocar o solo, mesmo pedalando em curvas mais acentuadas.

matéria constante no site
http://www.escolade bicicleta.com.br

obs: há outras técnicas  para se obter a bicicleta sob medida. Lembramos que são duas “máquinas” – a máquina humana e a máquina chamada de bicicleta. As informações acima destinam-se para aqueles que
querem o mínimo de informação para evitar o mal-estar, dificuldades de pedalar e outras situações que tiram o prazer de rodar sem dores e  com esforços acentuados.
Se você tem condições e quer investir há profisionais e empresas que produzem obras de arte que se adaptam ao seu físico e aumentam consideravelmente a sua performance ao pedalar.

Dores ao pedalar

Dores nos joelhos e nas nádegas costumam castigar ciclistas inexperientes, mas ciclistas profissionais conseguem evitar estes tormentos.Como?

As dores aparecem, segundo os especialistas, porque as pessoas tendem a tomar decisões erradas na hora de escolher o tipo de selim (assento) e ajustar a sua altura.

Ciclistas experientes assustam-se quando veem novatos utilizando grandes almofadas, acreditando que um
assento pequeno e duro causará dores nas nádegas.

Um assento grande faz o ciclista sacudir de um lado para o outro, diz Rob Vandermark, presidente de uma empresa que produz bicicletas para profissionais.

Quanto maior o selim, mais desconfortável ele é -afirma.

Anos 80 – bons tempos!Grêmio Náutico Gaúcho.
Bicicleta Peugeot Course- “na medida”.

-Pior, assentos largos não sustentam a pélvis adequadamente, observa, Tom Kellogg, corredor e fabricante de quadros de bicicletas. O selim, diz ele, deve acomodar os dois ossos localizados na parte inferior da bacia que sustentam o peso do ciclista.
almofadas não ajudam nisso. É a forma do selim que o faz – diz Kellogg.

Dave Levy, construtor de bicicletas e corredor aposentado, explica que os ciclistas experientes apóiam um terço do peso nas mãos, um terço nos pés e um terço nas nádegas.

Os principiantes costumam se sentar retos, colocando todo o peso do corpo sobre as nádegas.
Outro erro cometido pelos iniciantes é regular o assento numa altura muito baixa, o que produz dores nos joelhos.
O selim estará numa altura apropriada quando você estiver sentado e não conseguir colocar os pés no chão – diz Richard Schwinn, fabricante de bicicletas.

Veja este link e as explicações técnicas a respeito de assentos:
http://www.revistabicicleta.com.br/bicicleta.php?ciclismo_disfuncao_eretil_esterilidade_masculina_e_doenca_da_prostata&id=4580

Respirando com maior eficiência
Entenda um pouco mais sobre a respiração abdominal que deixa alguns atletas profissionais com a aparência de “gordo”:
Ao observarmos algumas imagens de provas de ciclismo do pelotão Pro Tour nos deparamos com algumas situações intrigantes, que a princípio nos deixa com certa curiosidade. Afinal, o que acontece com alguns ciclistas que aparecem nestas imagens com a barriga grande e apresentando até a aparência de “gordo”? Porém, se observarmos que nem sempre para estar acima do peso precisamos ter uma barriga mais avantajada ou que ter barriga não é um “privilegio” apenas de pessoas sobrepeso, mesmo que pessoas com estas características tenha uma maior predisposição a ter digamos que a famosa barriga, logo iremos então procurar subsídios teóricos que nos apresente o motivo pelo qual Fabian Cancellara, Bradley Winggis, Nairo Quintana e outros ciclistas aparecem com uma barriga talvez maior do que o normal para um atleta praticante de ciclismo de alta performance.
Em estudos podemos descobrir que o que justifica tal situação é a respiração abdominal que a maioria dos atletas de alto rendimento realiza, diferenciada fisiologicamente e anatomicamente da respiração pulmonar, que é a respiração que a grande maioria dos atletas conhece e realiza. A respiração pulmonar é realizada com o ato de inflar os pulmões usando a musculatura do tórax, e a respiração abdominal é realizada através da ação dos músculos abdominais e do diafragma.
Fisiologicamente explicando a respiração abdominal oferece ao atleta uma maior demanda de oxigênio, onde “o músculo abdominal e o diafragma formam um vácuo durante a respiração com suas contrações, o que ajuda a encher o pulmão com mais facilidade e com maior volume de ar”¹. Levando em consideração e a grosso modo, que o oxigênio é um dos responsáveis por nossa resistência, ao termos uma maior oferta de oxigênio teremos também uma maior resistência correto?! Além de uma melhora em nossa capacidade pulmonar o que também é um fator que influencia diretamente em nosso desempenho.
Além de esclarecer o porquê alguns ciclistas nos apresentam algumas características inusitadas, fica também uma dica que pode trazer grandes benefícios ao seu desempenho.
Cris Silva

Câimbra Muscular

Esta é uma afecção característica e frequente nos ciclistas, principalmente nas modalidades de estrada e é devida a uma contração muscular involuntária, espasmódica e dolorosa.
câimbra ocorre devido ao estado de fadiga do músculo determinado pela produção de substâncias tóxicas durante o trabalho muscular. Essas substâncias tóxicas absorvem as fibras musculares e provocam
uma irrigação sanguínea insuficiente.
Causas que favorecem o aparecimento das câimbras:
– condições atmosféricas desfavoráveis (frio, chuva,etc);
-estados tóxicos de várias origens;
-posição inadequada do ciclista;
-treinamento inadequado;
-alimentação desordenada;
Deve-se ter em mente uma destas causas que é o treinamento inadequado pois caso isto ocorra, nunca haverá uma perfeita adaptação da elasticidade muscular. Em outras palavras, se você pedala uma vez a cada sete dias e de maneira forte e longas distâncias…terá câimbras com certeza!
Como prevenir?
– antes de começar a pedalar, no inverno manter as pernas cobertas, sem possibilidade de esfriamento.

– alimentação adequada, com alimentos que contenham potássio (ex: banana).

– alongamentos antes e depois de pedalar.

– começar aos poucos, aumentar a distância e a exigência muscular aos poucos. Nada de exageros!

Profissionais do ciclismo tem as medidas de braços, pernas, tronco e peso registrados e entra em cena o computador.
Este video mostra as medidas perfeitas de uma bicicleta de fibra de carbono em relação ao corpo de um atleta, processo do início ao fim, Veja :

 

Curiosidade 1 – Qual o quadro mais resistente : Alumínio ou Carbono ? Teste completo no video
abaixo –
http://www.pinkbike.com/v/embed/243228/?colors=c80000
Curiosidade: como é feita uma roda de alumínio? Veja aqui:                                                                                                  

…e as correntes da bicicleta? pura engenharia ! veja :                                                                                                            

 

O pedal e o pé:

Correndo o risco de parecer óbvio, precisamos esclarecer que a maioria das pessoas coloca o pé incorretamente no pedal. O mais comum é ver pessoas fazendo errado.

E não é uma questão menor, a posição do nosso pé afeta não apenas nossa energia , mas isto pode causar inconvenientes para outras partes do nosso corpo (incluindo ferimentos). A experiência de ciclismo deve ser agradável,  caso contrário vamos acabar abandonando o esporte/lazer, privando-nos de todos os seus benefícios.

No ciclismo, independentemente do estilo que cultivamos,  lazer ou competição, conta muito como nossas articulações estão alinhadas.

Este é um artigo introdutório a técnica de pedalada, então vamos só falar sobre um aspecto básico, a postura de pé. Claro, existem outras considerações tais como a altura do assento, o tamanho da bicicleta, etc.

Mas antes de tudo precisamos saber que  para uma pedalada eficaz, devemos evitar um erro básico: o incorreto contato com a superfície do pedal .

Não importa o tipo do pedal (plataforma ou automático) o princípio é o mesmo: a área do metatarso, ou seja, a parte carnuda que que segue os dedos do pé é que deve ser apoiada. Não apoie o calcanhar, ou o arco do pé e sim o metatarso ! 

Com excepção dos ciclistas que se engajam em estilos extremo como freeride, dirt jump, street ou de downhill (descida), que usam pedais de plataforma e fazem saltos ou acrobacias onde o importante é manter em pé /pedal em vez da eficácia de pedalar, não use a metade do rodapé, se você quer evitar cãibras nas pernas ou dores nas costas.

Uma pedalada eficaz significa mais tempo com a bike, mais quilometragem e menos esforço. Ao apoiar o metatarso como ponto de contato, transmitimos corretamente a energia de nossas pernas, joelhos, tornozelos e empurrando para baixo,  articulações em perfeito alinhamento, evitando lesões e aproveitando ao máximo nossa mecânica corporal.

Podemos desfrutar a nossa bicicleta mais e melhor. Vamos começar a pedalar como deve ser ! 

http://www.multiformato.com/tag/sillin/ (Traduzido por Bing)

veja mais em http://www.multiformato.com/2011/03/la-tecnica-del-pedaleo-ii-la-altura-y-posicion-del-sillin/#more-211 em espanhol.

Fique atento ao jeito certo de dirigir sua bike. Evite problemas nos tendões e musculos do punho/pulso !

grab punho

As marchas e quando utilizá-las:

Usuario de la bici en España
Generado por: Ciudadano 0,0

Mais? veja em  http://www.bikemagazine.com.br/2011/11/tamanho-correto-quadro/

Bicicleta Colnago:

 

Bicicleta Trek: