Maçã bicolor ! (não é photoshop) Different apple !

Na Tasmânia uma macieira teve um fruto bastante incomum : verde e vermelha !
Aprecie as fotos!

Anúncios

A banana é radioativa…also in english.

texto traduzido…pode conter algum erro…

Basta olhar para a banana e imaginar : radioativa !!!
 Não há nada especial sobre a fruta em sí ou onde ela foi cultivada. Todas as bananas são radioativas, porque todas as bananas contêm o isótopo radioativo do potássio-40. Na verdade, um monte de coisas que você não  suspeita são radioativas, incluindo a castanha do Brasil,também chamada de Castanha do Pará.O seu próprio corpo contém radiação…. E este fato é por vezes utilizado para minimizar o impacto da exposição à radiação através de tratamentos médicos ou ingestão acidental.

A dose equivalente a uma banana, é a forma de colocar a exposição à radiação em contexto, comparando o consumo de, por exemplo,  leite local logo após o desastre perto de Three Mile Island, a ingestão de uma banana,  no cotidiano normal. Wikipedia explica este exercício:

Vazamentos de radiação a partir de usinas nucleares são frequentemente medidos em unidades de pequena dimensão extraordinária (o picocurie, um milionésimo de um milionésimo de Curie, é típico). Ao comparar a exposição destes eventos com a dose do consumo de uma banana , uma avaliação mais realista do risco real às vezes pode ser obtida.
Esta não é apenas propaganda pró-nuclear.
“Picocurie” é uma daquelas palavras que realmente não significa nada para os leigos.
Confundir as unidades de medida, quando combinada com a palavra “nuclear” pode, compreensivelmente,  deixar as pessoas assustadas. E, dependendo da situação, não há motivo para ficar “apavorado”.
Ter uma maneira de explicar o que significa picocurie, no contexto do cotidiano, normal, os riscos de segurança, realmente é uma ferramenta útil para colocar radioatividade em um contexto, que o público pode entender.
Mas, a Dose Equivalente a Banana  não é provavelmente a melhor maneira de fazer isso.

O problema é que este sistema implica que todos os radioisótopos são criados iguais, que não há diferença entre 520 picocuries de potássio-40 e um consumo similar de, digamos, iodo radioativo. E isso simplesmente não é verdade. Geoff Meggitt-físico de saúde reformado e ex-editor do Jornal de Proteção Radiológica explica mais:

Meggitt trabalhou para o Reino Unido Atomic Energy Authority por 25 anos. Ele diz que há uma enorme variação nos riscos associados à ingestão da mesma quantidade de diferentes materiais radioactivos e até mesmo alguma, diferença entre a dose  do mesmo material, mas em formas químicas diferentes.

Tudo depende de dois fatores:

1) As características físicas da radioatividade ou seja, qual é sua meia-vida? É a radiação emitida alfa, beta ou gama?

2) A forma como a radioactividade ao redor é absorvido pelo organismo ou seja, quanto é absorvido pela corrente sangüínea? O que faz este isótopo aos tecidos específicos,como tendem a acumular-se?

O potássio-40 é um isótopo existente nas bananas  e modelo particularmente ruim de usar como modelo de estudo, Meggitt diz, que o teor de potássio do nosso corpo parece estar sob controle homeostático. Quando você come uma banana, o nível no corpo  de potássio-40 não aumenta. Você acabou de se livrar de algum excesso de potássio-40. A dose  líquida de uma banana é zero.

E essa é a diferença entre uma ferramenta de educação e propaganda. (E eu digo isso como alguém que não é enfaticamente contra a energia nuclear). Bananas não vão dar a ninguém realmente vai dar a ninguém “, uma avaliação mais realista dos riscos reais”, eles  só irão distorcer ainda mais a imagem.

Just look at that radioactive banana. There’s nothing special about it or where it was grown. All bananas are radioactive, because all bananas contain the radioactive isotope Potassium-40. In fact, a lot of things you might not suspect of being radioactive are, including Brazil nuts, and your own body. And this fact is sometimes used to downplay the impact of exposure to radiation via medical treatments or accidental intake.



 the idea of the Banana Equivalent Dose—a way of putting radiation exposure into context by comparing intake from, say, local milk just after the near-disaster at Three Mile Island, to intake from a normal, workaday banana. Wikipedia explains the point of this exercise:


The banana equivalent dose is the radiation exposure received by eating a single banana. Radiation leaks from nuclear plants are often measured in extraordinarily small units (the picocurie, a millionth of a millionth of a curie, is typical). By comparing the exposure from these events to a banana equivalent dose, a more realistic assessment of the actual risk can sometimes be obtained.


This isn’t just about pro-nuclear propaganda. “Picocurie” is one of those words that really doesn’t mean anything to lay people. Confusing units of measurement, when combined with the word “nuclear” can, understandably, freak people out. And, depending on the situation, there isn’t always cause for said freak out. Having a way of explaining what picocurie means, in the context of everyday, normal, safe exposures, really is a useful tool for putting radioactivity into a context the public can understand.
But, the Banana Equivalent Dose probably isn’t the best way to do that.


The problem is that this system implies that all radioisotopes are created equal—That there’s no difference between 520 picocuries of Potassium-40 and a similar intake of, say, radioactive iodine. And that simply isn’t true. I contacted Geoff Meggitt—a retired health physicist, and former editor of the Journal of Radiological Protection—to find out more.
Meggitt worked for the United Kingdom Atomic Energy Authority and its later commercial offshoots for 25 years. He says there’s an enormous variation in the risks associated with swallowing the same amount of different radioactive materials—and even some difference between the same dose, of the same material, but in different chemical forms.


It all depends on two factors:


1)The physical characteristics of the radioactivity—i.e, What’s its half-life? Is the radiation emitted alpha, beta or gamma?


2) The way the the radioactivity travels around and is taken up by the body—i.e., How much is absorbed by the blood stream? What tissues does this specific isotope tend to accumulate in?


The Potassium-40 in bananas is a particularly poor model isotope to use, Meggitt says, because the potassium content of our bodies seems to be under homeostatic control. When you eat a banana, your body’s level of Potassium-40 doesn’t increase. You just get rid of some excess Potassium-40. The net dose of a banana is zero.
And that’s the difference between a useful educational tool and propaganda. (And I say this as somebody who is emphatically not against nuclear energy.) Bananas aren’t really going to give anyone “a more realistic assessment of actual risk”, they’re just going to further distort the picture.